O que levou o príncipe Harry e Meghan Markle a deixarem a monarquia britânica?

Yahoo Vida e Estilo
Príncipe Harry e Meghan Markle, o Duque e a Duquesa de Sussex (Foto: Getty Images)
Príncipe Harry e Meghan Markle, o Duque e a Duquesa de Sussex (Foto: Getty Images)

A notícia mais chocante da semana, com certeza, é esta: o príncipe Harry e a esposa, Meghan Markle, anunciaram que estão deixando a família real britânica. O casal oficializou a decisão em um comunicado liberado na última quarta-feira (08) para a imprensa e o público geral. 

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Na mensagem, o Duque e a Duquesa de Sussex explicaram que depois de "muita deliberação" decidiram deixar de lado os título reais, e começar uma nova fase de suas vidas, inclusive de forma independente financeiramente - como diz a tradição, todos os membros da família real são custeados pelo governo britânico e as heranças da realeza.

Leia também

Ainda segundo o comunicado, publicado também no Instagram do casal, os dois anunciam que, a partir de agora, pretendem dividir o seu tempo entre a América do Norte e o Reino Unido. "Esse equilíbrio geográfico vai permitir que nós criemos o nosso filho com uma apreciação pela tradição real em que nasceu, ao mesmo tempo que nos dará o espaço para focar no próximo passo, incluindo o lançamento da nossa nova instituição de caridade". 

A decisão parece vir como um fechamento para dois anos turbulentos para o casal. Desde o noivado, anunciado em 2017, Harry e Meghan têm travado uma batalha legal gigantesca contra a imprensa britânica por invasão de privacidade.  

Durante o Natal, a Harry e a família geraram espantamento ao anunciarem que passariam as festas de fim de ano longe da família real, como é de costume. O duque e a duquesa foram ao Canadá, país que faz parte da Commonwealth, o conjunto de países independentes que faziam parte do antigo Império Britânico e onde Meghan morou por muitos anos enquanto gravava a série Suits. Acredita-se, inclusive, que o casal deve se mudar para lá em breve.

Em um primeiro momento, o que isso significa é que, diferente do que diz a tradição, Harry e Meghan não serão mais obrigados a viver apenas no Reino Unido, lar oficial da Rainha Elizabeth II e de toda sua família direta, e poderão também ter fontes de renda direta e independentes do governo britânico.

Como a situação chegou nesse ponto? 

Talvez, a pergunta que mais passe pela cabeça é: como a história chegou a esse ponto? Renunciar ao título real não é algo comum mundo fora - normalmente o que as pessoas esperam é o contrário, um desejo de entrar para a realeza e se manter por lá o máximo de tempo possível. 

Muito se especula pelo real motivo porque Harry e Meghan tomaram essa decisão. Inclusive, a BBC chegou a noticiar, também na quarta-feira(08), que a família direta de Harry não estava ciente de que o casal faria um anúncio oficial e que a rainha estaria, inclusive, "desapontada" com as atitudes do casal. 

Ao mesmo tempo, não é difícil entender como as coisas chegaram a esse ponto. Para começo de conversa, Meghan é uma mulher negra, divorciada e norte-americana, o que por si só já é uma grande quebra de padrões dentro da monarquia. 

Além disso, as comparações com a história da mãe de Harry, a princesa Diana, se tornaram praticamente inevitáveis: Meghan começou a ser amplamente perseguida pelos fotógrafos enquanto ainda gravava a série de TV Suits e precisou ser acompanhada por seguranças oficiais da família real para ir trabalhar. 

A partir dali, a perseguição só aumentou, muito alimentada pela discórdia que parecia acontecer dentro dos palácios britânicos. A invasão de privacidade chegou a causar ainda mais polêmica depois que uma carta pessoal escrita por Meghan ao pai foi vazada para os tablóides - e que mostrava que, ao contrário de Kate Middleton, Meghan passou por uma série de complicações ao longo da vida que não eram o ideal, sob os olhos da monarquia. 

Os rumores também escalaram: histórias de uma suposta briga de Meghan com Kate começaram a surgir, assim como relatos de um afastamento entre Harry e William, o que demonstrada que a relação dos irmãos também não ia bem. Tanto vimos a dissolução da instituição mantida pelos dois, a Royal Foundation, ainda no ano passado, quanto a consolidação de William como o próximo herdeiro direto ao trono e Harry cada vez mais distantes das funções reais.

Mais de uma vez, também, o príncipe comentou como via semelhanças entre a perseguição da esposa pelos fotógrafos com o que aconteceu com a mãe, que sofreu muito com a presença da mídia ao longo da vida - e o quanto isso o assustava. 

A própria Meghan, em um documentário da BBC, explicou como passou por momentos difíceis no seu primeiro ano como duquesa e que estava se sentindo bastante vulnerável, passando por uma fase complicada quando da gravidez de seu primeiro filho, o pequeno Archie. 

No mais - e como vimos em especulações diversas na internet -, a questão que levou à decisão do casal parece estar muito mais relacionada à vida dentro dos muros dos palácios do que fora deles. 

Leia também