O que Corinthians e Flamengo pensam ao sondar Marcinho, do Botafogo

Goal.com

Corinthians e Flamengo têm hoje, possivelmente, os dois melhores laterais do futebol brasileiro. Mas Fagner, integrante da seleção brasileira na última Copa do Mundo, e Rafinha, dono de longa carreira no hegemônico Bayern de Munique, podem ganhar um concorrente no setor ainda neste ano: Marcinho, do Botafogo.

O interesse, revelado pelo ex-presidente do Botafogo, Carlos Augusto Montenegro, em entrevista ao jornalista Venê Casagrande chama a atenção por se tratar justamente de um reforço para uma posição muito carente no futebol brasileiro. Então por que quem já tem boas opções para a lateral direita gostaria de ter Marcinho? A Goal explica.

Contrato

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Com vínculo até o fim deste ano, Marcinho chegaria provavelmente com um baixo investimento ao clube que o desejar. Com a possibilidade de assinar um pré-contrato já em julho, é possível que o contratante consiga adiantar sua chegada em alguns meses com um negócio à base de troca de jogadores ou repartição dos direitos federativos, dando ao Botafogo uma chance de lucro no futuro.

Idade

Marcinho tem 23 anos e vai completar 24 no meio do mês que vem. É um jogador ainda no início da carreira profissional e em fase de adaptação à lateral. Ou seja, está disposto a aprender novos estilos de jogo e se adaptar mais facilmente à filosofia do clube que o contratar.

Enquanto isso, Fagner tem 30 anos e vai completar 31 ainda nesta temporada. Rafinha fechará 2020 com 35, ainda mais velho, ambos já sem perspectiva de negociação com o exterior.

Polivalência

Além de novo, Marcinho já atuou em várias posições pelo Botafogo, em especial como um meio-campista mais avançado, pela direita. Convocado para a seleção brasileira como lateral, ele pode ser uma boa arma ofensiva.

Cultura de renovação

Já estabelecida há uma década, a cultura de renovação do Corinthians tem sido frquentemente implantada no clube. Jogadores são trazidos para compor o elenco durante um período e, em cerca de dois anos, assumirem os seus lugares para darem o resultado esperado.

Os casos são inúmeros, mas os de maior destaque atendem pelos nomes de Leandro Castán, contratado em 2010 e campeão da Libertadores em 2012, Felipe, contratado em 2012 e campeão brasileiro em 2015, e Rodriguinho, adiquirido em 2013 e um dos principais nomes do Timão bicampeão paulista e Brasileiro recentemente.

No Flamengo, o supertime montado em 2019 deu resultado imediato, mas a busca agora é para repor as perdas antes de elas acontecerem. Nomes como Michael, Thiago Maia, Pedro e Pedro Rocha chegaram para isso, dando mais segurança ao clube na hora de negociar propostas pelos seus atletas. Marcinho seria mais um desses.

Leia também