O fim da 'barriga de cerveja': conheça a dieta ‘mediterrânea verde’ que promete eliminar esse tipo de gordura

Um estudo israelense descobriu de maneira simples como fazer para perder aquela famosa barriga de cerveja que a maioria dos homens reclamam em ter. Segundo os especialistas, o segredo está na dieta “mediterrânea verde” que substitui as carnes vermelhas por um shake de lentilha e quatro chás verdes por dia e queima quatro vezes mais a gordura corporal do que a dieta tradicional que as pessoas costumam fazer.

A pesquisa foi feita com 294 adultos com idade média de 50 anos e IMC de 31, colocando-os na categoria de obesos. Quase nove em cada dez eram homens. Eles foram colocados em três dietas diferentes e solicitados a segui-las de maio de 2017 a novembro de 2018.

Dois grupos foram instruídos a seguir uma variação da dieta mediterrânea, ou seja, rica em gorduras e proteínas, mas pobre em carboidratos, tornou-se extremamente popular nos últimos anos com uma riqueza de estudos divulgando seus benefícios para a longevidade, reduzindo a fragilidade e afastando o câncer. Uma das turmas seguia uma versão 'verde', ainda contém muitos feijões, legumes, grãos integrais, folhas verdes, azeite, nozes e peixes, porém com mais ênfase nos vegetais e ainda inclui três a quatro chás verdes e um shake de lentilha (Mankai) por dia.

Aqueles que consumiram a dieta baseada em vegetais viram seus níveis de gordura visceral encolherem 14%, em comparação com apenas 4,5% em um grupo de controle que comeu uma dieta saudável padrão. Os pesquisadores acreditam que os polifenóis – compostos vegetais que protegem o tecido do corpo contra o estresse – ajudam a queimar gordura, o que foi observado em estudos anteriores.

Muitos especialistas consideram a gordura visceral o verdadeiro objetivo da perda de peso e um melhor indicador da saúde de alguém do que o tamanho de sua cintura. A gordura visceral se acumula ao longo do tempo entre os órgãos e produz hormônios e venenos para doenças cardíacas, diabetes, demência e morte prematura.

“Uma redução de 14% na gordura visceral é uma conquista dramática para fazer mudanças simples em sua dieta e estilo de vida”, disse Hila Zelicha, especialista em obesidade da Universidade de Ben-Gurion em Israel, e participante do estudo.

No final do projeto, o grupo da dieta “verde” perdeu 3,9% do peso corporal e 5,7% da circunferência da cintura, em média. Aqueles na dieta mediterrânea padrão perderam 2,7% e 4,7%, respectivamente. E aqueles na dieta padrão perderam 0,4% e 3,6%.