O cansaço da fama: Rayssa Leal 'desmaia' com bateria entrevistas após a medalha

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Rayssa brincou com o cansaço após a sequência de entrevistas e bateria de perguntas por conta de sua conquista da medalha. (Foto: Reprodução/Instagram)
Rayssa brincou com o cansaço após a sequência de entrevistas e bateria de perguntas por conta de sua conquista da medalha. (Foto: Reprodução/Instagram)

A skatista brasileira Rayssa Leal está vivendo uma das consequências do ápice de sua carreira esportiva. 

Após faturar a medalha de prata no skate street feminino na Olimpíada de Tóquio, na madrugada desta segunda-feira (26), a jovem fez uma brincadeira nas redes sociais a respeito da repercussão mundial de sua conquista. 

Leia também:

Em um story no Instagram, a "Fadinha" Rayssa aparece deitada ostentando a medalha no peito e com a legenda: "Depois de ter respondido 1000 mil perguntas". 

Com apenas 13 anos e 203 dias, Rayssa se tornou a brasileira mais jovem a conquistar uma medalha do torneio que premia os maiores esportistas do planeta. 

Nascida em 2008, meses antes da Olimpíada de Pequim, em Imperatriz, no Maranhão, Rayssa viralizou na internet após ter um vídeo publicado na internet em 2015. Com um vestido de fada, no estilo da Sininho, personagem de Peter Pan, a brasileira fazia manobras em uma calçada.

O feito viralizou após Tony Hawk, um dos nomes mais conhecidos do skate mundial, compartilhou em suas redes sociais o feito da jovem. No vídeo, Rayssa tenta duas manobras, mas não consegue se manter de pé. Em uma terceira tentatva e com asas nas costas, a Fadinha voou, impressionou e se mostrou ao mundo.

Na época, sua maior inspiração era Letícia Bufoni, campeã mundial em 2015 da Street League Skateboarding (SLS). Em uma reportagem do "Esporte Espetacular" de Dia das Crianças, Rayssa teve a oportunidade de conhecer sua ídolo e chorar em rede nacional.

Após viralizar em 2015, com apenas sete anos de idade, a Fadinha tornou-se rapidamente um fenômeno mundial. Em 2019, a atleta venceu a etapa da SLS de Los Angeles e sagrou-se vice-campeã mundial da modalidade, atrás apenas da compatriota Pamela Rosa.

Em 2021, Rayssa participou de sua primeira Olimpíada e não sentiu a pressão. Competindo ao lado de Letícia Bufoni, a jovem se divertia em quanto competia. Com manobras espetaculares, a joia se classificou como a 3ª melhor nota para a final do torneio disputado em Tóquio.

Rayssa Leal do Brasil posa para foto na cerimônia de premiação da rua feminina do skate Tokyo 2020 em Tóquio, Japão, 26 de julho de 2021.
Rayssa Leal do Brasil posa para foto na cerimônia de premiação da rua feminina do skate Tokyo 2020 em Tóquio, Japão, 26 de julho de 2021. (Foto: Li Ga / Xinhua via Getty Images)

Com o país inteiro torcendo, de suas casas ou da Vila Olímpica, Fadinha conseguiu um feito ainda maior. Com a nota de 14,64 pontos, a skatista conquistou a medalha de prata para o Brasil e se tornou a brasileira mais jovem da história a subir no pódio do evento que premia apenas os maiores esportistas do planeta.

Com o resultado, Rayssa Leal se tornou a sétima medalhista mais jovem da história das Olimpíadas. E por pouco não faz ainda mais história, pois a Fadinha poderia se tornar a atleta mais nova da história a conquistar um ouro. Esta marca segue pertencendo a Marjorie Gestring, atleta dos Estados Unidos do Trampolim que subiu no topo do pódio dos Jogos de Berlim, em 1936, com 13 anos e 267 dias.

A medalhista mais jovem dos últimos 85 anos de Olimpíadas deixa um recado para o Brasil: iremos brigar por medalhas em 2024, 2028, 2032 e quem sabe até 2036 com a Fadinha, a segunda melhor skatista do mundo e que ainda pode buscar voos mais altos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos