O Brasil nunca mais vai ter um 7 a 1, e quem garante é... Parreira

Goal.com

Não adianta: todo mundo tem uma história sobre o 7 a 1. A goleada sofrida pela seleção brasileira diante da Alemanha marcou toda uma geração de atletas e as suas consequências foram sentidas, ainda que timidamente, no futebol brasileiro.

Carlos Alberto Parreira, então coordernador técnico da seleção, em entrevista concedida a UOL, comentou sobre o duelo. De novo, o ex-treinador chamou o resultado de "inexplicável".

"A seleção brasileira nunca tomou sete gols em jogo nenhum, foi a primeira vez. Foi inesperado. Aquilo não vai se repetir. Nós estávamos no banco, todo mundo ficou como você, torcedor. Foi uma pane geral. 5 a 0 em um primeiro tempo contra a Alemanha não tem explicação, tática ou técnica. O lado emocional pesou bastante" declarou Parreira.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Fato é que, depois do 7 a 1, críticas para a modernização do futebol brasileiro começaram a serem realizadas com uma intensidade muito maior. Uma das mais comuns seria de que os treinadores do país estariam suspostamente atrasados, especialmente em relação a europeus e argentinos.

Scolari - Brazil
Scolari - Brazil

Um dos debates, então, que gerou mais polêmica, é sobre a presença de treinadores estrangeiros na seleção. Enquanto os mais críticos defendem que o Brasil não conseguirá ter resultados relevantes na Copa do Mundo com apenas técnicos brasileiros, outros afirmam que a canarinho nunca precisou de gringos para ter sucesso.

A discussão se amplificou ainda mais com os bons resultados conquistados pelo português Jorge Jesus e pelo argentino Jorge Sampaoli no Brasil em 2019. O treinador do Flamengo vem sendo muito requisitado como substituto de Tite e já se declarou aberto ao desafio, caso o convite apareça.

Sobre isso, Parreira também deu sua opinião. O tetracampeão do mundo continuou com seu discurso consistente: afirma preferir ver apenas brasileiros no comando da seleção, pelo menos por enquanto. 

"Ele tem qualidade, mas nós não precisamos dele na seleção brasileira. Ele faz um trabalho maravilhoso no Flamengo. A seleção está muito bem com Tite. Isso nunca passou pela minha cabeça, um treinador estrangeiro no Brasil. Talvez aconteça, mas não acho que é o momento." explicou o ex-técnico.

Seja com um estrangeiro no comando ou não, o Brasil tem uma das seleções mais talentosas do planeta. Resta saber se Tite, cornetado como todo técnico da canarinho é, conseguirá obter resultados melhores.

Leia também