IFAB aprova por unanimidade uso de arbitragem de vídeo para Copa da Rússia

EFE

Redação Central, 3 mar (EFE).- A International Football Associtation Board (IFAB) aprovou de forma unânime a utilização do sistema de video-arbitragem (VAR), que será aplicado na Copa do Mundo da Rússia, durante a 132° reunião realizada na sede da Fifa, em Zurique, nste sábado.

A IFAB garantiu que sua decisão "representa uma nova era para o futebol" e que a utilização do VAR "ajudará a aumentar a integridade e a justiça no jogo", após a conclusão da reunião, que foi presidida pelo presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino.

"A filosofia do VAR é mínima interferência-máximo benefício, com o objetivo de reduzir as injustiças causadas por erros ou não apreciação de incidentes sérios em relação a quatro supostos: gols ou não; pênaltis ou não, cartão vermelho direto (não segundo amarelo) e erro de identidade (quando o árbitro adverte ou expulsa um jogador errado da equipe que comete a falta", explicou a IFAB.

A organização também aprovou o programa e o protocolo para a aplicação do VAR nas competições que decidirem utilizar o dispositivo, que será revisado pela própria IFAB e pela Fifa.

Antes de adotar a decisão, os membros da IFAB (formado pelas associações da Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte, junto à Fifa, além de representante do resto de associações nacionais), assistiram à apresentação do relatório independente elaborado pela universidade belga de Leuven sobre a utilização do VAR desde março de 2016.

O relatório mostra com a exatidão que as decisões com o VAR são 98,9% certas e o tempo perdido de jogo pela sua utilização representa menos de 1% nas partidos.

O documento foi elaborado com dados de 20 associações nacionais e competições que aplicaram o VAR desde março de 2016 e se baseou no usos em 804 partidas, com um "impacto decisivo em 8% delas". Em 533 encontros não houve revisões e só em 42 foi usado mais do que uma vez.

"A exatidão das decisões nas categorias revisáveis aumentou de 5,9% a 98,9%. 100% de exatidão é impossível devido à percepção humana e à subjetividade na tomada de decisões", apontou o documento, que considerou que o VAR teve um impacto positivo em 24% de todos os encontros, ao mudar uma decisão inicialmente incorreta do árbitro".

O tempo médio de revisão do VAR são 20 segundos. A maioria das revisões são feitas enquanto o jogo continua ou durante um tempo normal de parada como a comemoração de um gol, por isso que não impacta no fluxo do jogo", sustentou o relatório.

Entre as outras decisões adotadas na reunião da IFAB deste sábado figura a opção de uma substituição "adicional" na prorrogação, após dois anos de realização experimental em várias competições, bem como o uso de equipamentos eletrônicos de comunicação na área técnica, "estritamente para propostas táticas e a segurança dos jogadores". EFE

omm/ff


Leia também