Nutricionista de McGregor narra diferença na preparação para luta com Mayweather

A menos de duas semanas para uma das lutas mais aguardadas dos últimos anos no boxe, Conor McGregor aparenta estar no caminho certo. Pelo menos no que se refere à sua nutrição, que é monitorada por um dos especialistas mais renomados que o mundo do MMA já viu nessa área: George Lockhart.

“Na última luta, estive lá por seis semanas, mas desta vez nós tivemos nove semanas completas”, disse Lockhart em entrevista à reportagem da Ag. Fight, relembrando a luta mais recente de McGregor, quando ele venceu Eddie Alvarez no UFC 205 e se sagrou o primeiro atleta a garantir o título em duas categorias diferentes do Ultimate de forma simultânea. “Tudo o que nos interessa é a performance [dele], ter certeza de que sua performance estará em alto nível. [A perda de] Peso é fácil para ele”.

Já que atingir os 70 kg requeridos para a luta parece ser fácil para McGregor, a tarefa mais difícil será aquela que o aguardará dentro do ringue. Escalado para enfrentar Mayweather, invicto em seus 49 combates disputados no boxe, em sua estreia na nobre arte, o irlandês é o grande azarão para a disputa agendada para o próximo dia 26 de agosto de agosto no ginásio T-Mobile Arena, em Las Vegas (EUA).

De qualquer maneira, o time do campeão do UFC – incluindo Lockhart – está confiante de que McGregor chegará ao ginásio mais do que preparado para a superluta que movimentará milhões de dólares, independentemente do fato do irlandês ter passado a maior parte de sua vida focado apenas nas artes marciais mistas.

“Para o MMA, são muitas sessões de treino, e você precisa de muito mais carboidratos”, afirmou Lockhart, enquanto explicava as mudanças que envolvem uma preparação para uma luta de boxe. “A diferença é que o wrestling, o jiu-jitsu e coisas do tipo são muito mais anaeróbicas. Seus músculos são contraídos por um longo período de tempo, você fica sem oxigênio por mais tempo, enquanto no boxe é mais aeróbico. A necessidade de carboidratos não é tão alta quanto o MMA, e você só precisa dar ao corpo o que ele precisa e quando precisa”.

Com base nisso, Lockhart, que começou a parceria com McGregor em sua luta contra José Aldo – combate que lhe rendeu o cinturão dos penas (66 kg) do UFC em 2015 –, garantiu que não houve a necessidade de mudanças drásticas em comparação com uma luta de MMA .

“Eu realmente não precisei mudar muito. Nós estamos dando ao corpo o que ele precisa, quando precisa. O que ele [McGregor] teve que mudar foi o seu treinamento. Conor tinha sistemas diferentes em uso, como pessoas que estavam fazendo apenas seu condicionamento em específico. Preciso me certificar de que quando ele faz algum exercício estou dando as diretrizes corretas para a realização daquelas atividades”, contou.

Com todo o suporte necessário para fazer com que McGregor esteja em forma para a luta, Lockhart disse que o irlandês não ganhará muito peso para o combate, ao menos no que se refere ao dia anterior – quando é realizada a pesagem -, em cenário bem diferente do que quando competia no MMA.

“Não, não”, respondeu Lockhart sobre a possibilidade do irlandês passar por um drástico corte de peso no dia de subir à balança. “Não faz muito sentido cortar muito peso e colocar um monte de peso de volta. Não é uma vantagem como no MMA, onde se você chegar nove quilos mais pesado do que o cara, você estará deitado sobre ele e estará fazendo wrestling com ele. Você pode fazer clinch com ele e tirar vantagem. Mas com o boxe é diferente. Então, a velocidade é um fator importante e se você é maior do que o cara, mas você não consegue bater nele, isso não ajuda muito”, analisou.

Dito isto, a grande pergunta que fica é: o quão pesado ‘The Notorious’ estará quando subir ao ringue na próxima semana?

“Não posso dizer isso”, afirmou Lockharts enquanto ria. “Mas ele será maior do que Floyd. Bastará apenas olhar para ambos e dizer que Conor está visivelmente maior. Ele é maior, tem um alcance mais longo. Será [uma luta] difícil”, concluiu o especialista em nutrição esportiva.