Nubia Soares, do salto triplo, consegue índice para o Mundial

O brasileira Nubia Soares, que é da categoria B3 de atletismo, venceu a prova do salto triplo do Circuito Prata da Federação Paulista (FPA), no domingo, em São Bernardo. Além de ter ganhado a prova com a melhor marca de sua carreira (14,35 metros), a atleta mineira conseguiu índice para disputar o Campeonato Mundial de Londres, que será realizado no início de agosto.

“Conseguir o índice tira um peso e possibilita um trabalho mais tranquilo visando o Mundial”, comentou Nubia, que passou a ser treinada desde o final do ano passado por Aristides Junqueira, o Tide. “O objetivo é sempre buscar a superação”.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (Iaaf) exige a marca de 14,10 metros na prova para a classificação ao mundial. Anteriormente o melhor resultado da saltadora de 21 anos, natural de Lagoa da Prata, era de 14,22 metros, marca que, em 2014, garantiu que ela liderasse o Ranking Mundial Sub-20.

Na mesma prova, Claudine Paola Gimenes de Jesus ficou com a prata, com 12,82 metros, seguida de Jacqueline Gonsales Sá, com 12,40 metros. Nenhuma das duas conseguiu vaga para o Campeonato Mundial.

Andressa Oliveira de Morais, do lançamento de disco, conseguiu ratificar o índice para o Mundial, ao vencer a prova com a marca de 61,88 metros, 68 centímetros a mais do que a Iaaf exige. Anteriormente, ela havia conseguido, em março, a marca de 61,78 metros. “Queria uma marca melhor, mas isso é questão de tempo”, declarou a atleta paraibana, que detém o recorde sul-americano da prova.

Leia mais: Brasil classifica 26 atletas para os Mundiais de atletismo e de natação

Lidiane Milena Cansian ficou na segunda colocação, com 54,95 metros, seguida de Izabela Rodrigues da Silva (B3 Atletismo), com 52,70 metros. Ambas não conseguiram índice para o Mundial. As marcas obtidas neste final de semana precisam ainda ser homologadas pelo Departamento Técnico da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).

Os atletas que pretendem disputar o Mundial de Londres precisam alcançar o índice de sua prova até o dia 23 de julho. Além disso, o atleta precisa estar entre os 40 primeiros de sua prova no ranking Olímpico. Cada país só pode ter três representantes por prova.