Novo tropeço do Verdão aumenta pressão por demissão de diretor

Jorge Nicola
·1 minuto de leitura
Palmeiras perdeu a terceira decisão seguida nos pênaltis (Buda Mendes/Getty Images)
Palmeiras perdeu a terceira decisão seguida nos pênaltis (Buda Mendes/Getty Images)

Da euforia com a chance de dois títulos à depressão após perdas, nos pênaltis, da Supercopa do Brasil e da Recopa Sul-Americana. Eis o Palmeiras nesta quinta-feira. E a pressão de torcedores e até conselheiros por mudanças começou logo após o enorme tropeço diante do Defensa y Justicia.

Não está descartada a hipótese de mudanças no Verdão e pode sobrar para Anderson Barros, que já estava ameaçado desde o ano passado. A avaliação interna é de que o trabalho do diretor-executivo de futebol é ruim.

Barros só não caiu recentemente por causa dos títulos da Libertadores e da Copa do Brasil, que abafaram a insatisfação em relação a seu trabalho.

Vale lembrar que o Palmeiras perdeu o título para o Defensa mesmo depois de vencer a partida de ida, na Argentina, por 2 a 1. Para tornar o vice ainda mais dramático, vale lembrar que o Verdão saiu na frente nesta quarta-feira e ainda teve um pênalti a seu favor na prorrogação.

No fim das contas, perdeu para os argentinos por 2 a 1 no tempo normal - com um gol sofrido aos 47 do segundo tempo, não reverteu o resultado na prorrogação e caiu na disputa por pênaltis por causa das cobranças equivocadas de Weverton e Luiz Adriano.

Por sinal, foi a terceira derrota consecutiva do Palmeiras em cobranças de pênalti - já havia caído na disputa do terceiro lugar no Mundial de Clubes (diante do Al Ahly) e na Supercopa do Brasil, contra o Flamengo.