Novo presidente da CAF quer combater "interferências políticas"

O malgaxe Ahmad Ahmad, em Addis Abeba, em 16 de março de 2017

O malgaxe Ahmad Ahmad, surpreendente vencedor das eleições presidenciais para a Confederação Africana de Nações (CAF), em março, afirmou em entrevista à AFP que quer combater "interferências políticas" no futebol, nesta sexta-feira em Joanesburgo.

"Tenho um programa e isso já é uma mudança (em relação ao anterior presidente, Issa Hayatou). Haverá mudanças na gestão administrativa e financeira, já que a CAF não está conforme os parâmetros. A falta de transparência, o governo é ruim, porque há interferência no processo de decisão. Tudo isso vai terminar muito rápido, vocês verão a diferença", prometeu Ahmad.

A África terá 9 vagas na Copa do Mundo de 2026, segundo recomendação aprovada pela Fifa, e Ahmad estima que, além do número de seleções, é preciso analisar outros fatores para conseguir que uma equipe da CAF consiga chegar pela primeira vez às semifinais de um Mundial.

"Fala-se muito da Copa do Mundo, mas esquecem os Mundiais juvenis, nos quais a África brilha. Temos que rever o desenvolvimento do futebol na África para entender o motivo de ganharmos títulos nas categorias infantis e isso não continuar nas categorias profissionais", concluiu.