Novo patrocinador master do Flamengo será Banco de Brasília

Goal.com

Depois de muita especulação sobre qual seria o próximo patrocinador master do Flamengo, finalmente estamos perto de uma definição: de acordo com notícia dada em primeira mão pelo colunista Lauro Jardim, do O Globo, o clube acertou com o BRB (Banco de Brasília) para estampar o peito da camisa da equipe carioca.

Com a parceria, o Rubro-Negro irá receber cerca de R$ 35 milhões do banco estatal, cujo principal acionista é o Governo do Distrito Federal, além de metas variáveis de acordo com outros fatores inclusos no negócio.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O patrocínio não ficará só nos valores base: a marca do Flamengo também será estampada em novos cartões pré-pagos e de débito, distribuídos a clientes do banco após o lançamento de sua plataforma digital. De acordo com informações do Metrópoles, os valores deste novo modelo de parceria serão divididos de maneira igualitária, com 50% para cada uma das partes.

Além disso, todos os contratos e transações financeiras do Rubro-Negro passarão pelo BRB, como forma de promover o lançamento do banco digital, previsto para o dia 15 de julho. O início da parceria acontecerá no dia 1 do mesmo mês.

A instituição financeira já estava sendo especulado como uma das possíveis interessadas no peito do Flamengo, como a Goal trouxe em maio. Mesmo sem contar as variáveis - que devem corresponder a boa parte dos valores envolvidos -, a parceria entre o clube e o banco já é a segunda maior do país, atrás apenas do Palmeiras e a Crefisa.

Em entrevista concedida ao O Globo, o presidente rubro-negro Rodolfo Landim falou sobre o novo acordo: “Além do espaço master de sua camisa. Vamos desenvolver com eles uma série de produtos, financeiros, como seguros, cartões de créditos. Uma vez isso feito, o Flamengo também terá uma parte desses benefícios".

O BRB, que já estampava o time de basquete da equipe carioca, representará um ganho quanto aos valores do contrato antigo do clube com a BS2, outro banco digital, que eram de R$ 15 milhões.

Leia também