Nova diretoria da AFA diz que punição a Messi é injusta e apoia técnico Bauza

BUENOS AIRES (Reuters) - Claudio Tapia, que foi eleito nesta quarta-feira presidente da Associação de Futebol Argentino (AFA), disse que a punição de quatro jogos aplicada pela Fifa a Lionel Messi foi injusta e manifestou apoio ao treinador Edgardo Bauza, apesar dos maus resultados da seleção, embora com reservas.

Tapia, de 49 anos e que atingiu o posto máximo da AFA depois de ter presidido o clube Barracas Central da terceira divisão, foi proclamado em uma lista única por 43 votos a favor e três em branco.

Messi foi punido pela Fifa após insultos contra um bandeirinha brasileiro durante a partida em que a Argentina venceu o Chile por 1 x 0 em casa na semana passada.

Messi não jogará contra Uruguai, Venezuela e Peru, e voltará contra o Equador, no final das eliminatórias.

"Todos os que compõem esta nova diretoria vão fazer esforços perante a Fifa para que a pena seja reduzida, porque não é justa", disse Tapia em sua primeira conferência de imprensa no novo cargo.

O dirigente, que trabalhava como coletor de lixo antes de se envolver no futebol, apoiou Bauza, questionado pelo fraco desempenho da equipe da Argentina, depois de perder por 2 x 0 para a Bolívia nas eliminatórias, em que o time está em quinto, mas ele deixou a porta aberta para permitir mudanças.

"Devemos apoiá-lo (Bauza), como a todos os jogadores", disse ele. "Existe hoje um técnico eleito em uma situação particular. Nós temos que nos reunir para ver o que é melhor", acrescentou.

Tapia é o primeiro presidente eleito pelo voto de dirigentes após a morte em 2014 de Julio Grondona, que permaneceu por 35 anos no cargo.

(Reportagem de Luis Ampuero)