Norris sente que carros da F1 estavam fazendo tempos de “F2 ou F3”

Jonathan Noble
·3 minuto de leitura

Lando Norris disse que os carros de Fórmula 1 não pareciam estar mais rápidos do que as máquinas da F2 ou da F3 na Turquia neste final de semana, graças à superfície de baixa aderência da pista de Istambul.

Um recente recapeamento do circuito que não teve tempo de se curar adequadamente antes do GP da Turquia deixou os pilotos de F1 lutando por aderência tanto no seco quanto no molhado.

Leia também:

Albon diz que F1 teve sorte de não ter “acidente grande” em classificação do GP da Turquia F1: Norris é punido com cinco posições no grid por volta no final do Q1 Verstappen: "Estar à frente da Mercedes não é o mais importante"

Com os carros rodando cerca de oito segundos por volta mais devagar do que o esperado no seco, a ação de sábado no molhado se transformou em uma batalha para as equipes colocarem seus pneus na janela de operação correta.

A estranha natureza do final de semana que foi motivada pela superfície da pista dividiu opiniões, com alguns sugerindo que foi uma farsa, enquanto outros se deleitaram com o desafio único que a situação levantou.

Norris admite que está em conflito sobre como se sente sobre isso, mas diz que a atual geração de carros de F1 não tem sido capaz de correr nem de longe tão rápido quanto deveria.

“Acho que tem sido divertido porque é diferente, mas também não é divertido porque às vezes você simplesmente não pode fazer muito e não está realmente pilotando o melhor carro e não está tentando pilotar o carro necessariamente da melhor maneira,” disse o britânico, que terminou em 11º no classificatório.

“Muito disso se resume ao próprio carro, então é quase pior do que corrida normal em alguns aspectos”.

“Há um desafio, mas acho que não foi tão divertido quanto o normal porque não estamos empurrando os limites de um carro de Fórmula 1”.

“Você sente que quase será capaz de fazer o mesmo tempo de volta em um carro de F2 ou F3, você está indo tão devagar”.

Tanto Norris quanto seu companheiro de equipe, Carlos Sainz, passaram por um período frustrante na classificação, já que a falta de troca de pneus deixou ambos eliminados no Q2.

Norris calculou que seria necessária uma investigação pós-final de semana para descobrir por que a McLaren não conseguiu obter mais de seus pneus como a Racing Point. “Ainda não temos uma resposta clara, caso contrário, provavelmente teríamos sido muito mais rápidos do que fomos”, disse ele.

“Então acho que precisamos sentar e entender, ou tentar entender, porque não vai ser óbvio como poderíamos ter colocado os pneus em uma janela melhor ou algo assim”.

“Não vai ser necessariamente apenas uma coisa. Pode ser uma combinação de coisas que eles ainda possuem. Ainda é uma Racing Point, é um carro muito rápido e tem muita força descendente”.

“Talvez eles possam fazer um pouco mais para virar os pneus. Mas sim, não tenho uma resposta. Acho que temos que estudar e então poderei responder com mais detalhes”.

Todas as notícias sobre o GP da Turquia de F1 você acompanha no site do Motorsport.com e em nosso canal no YouTube. Fique por dentro de todas as novidades e análises, além de conferir nossos programas e vídeos!

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Hamilton despista sobre Rosberg, analisa Bottas e ‘esquece’ Alonso; assista e entenda

PODCAST: O calendário 'pós-pandemia' da F1 2021 é o mais correto? Ouça o debate

Your browser does not support the audio element.