Nokia volta a lançar celulares no Brasil após 6 anos

Yahoo Finanças
Foto: Divulgação / Assessoria de imprensa
Foto: Divulgação / Assessoria de imprensa

Após seis anos, a Nokia está de volta ao mercado brasileiro de smartphones. A marca, agora parte do portfólio da empresa finlandesa HMD Global, anunciou no último domingo (3) o lançamento do Nokia 2.3, um smartphone com Android com preço sugerido de R$ 899.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O retorno da Nokia ao Brasil conta com a ajuda da Multilaser, que cuida da distribuição para o varejo e do pós-venda. A princípio, os primeiros modelos vendidos no país nessa nova fase são importados, mas a HMD já faz planos para fabricar localmente os smartphones.

Leia também

Os últimos smartphones da Nokia vendidos no Brasil eram produzidos pela Microsoft, que comprou a marca em 2014. Após um período de experiências sem sucesso no mundo mobile com o Windows Phone, a empresa desistiu do mercado de celulares e vendeu a marca em 2016 para a HMD.

Desde então, a Nokia conquistou um espaço cativo entre smartphones de médio custo na Europa, chamando atenção por aparelhos como o Nokia 9 Pureview, um celular intermediário de alto desempenho com nada menos do que cinco câmeras.

O Nokia 2.3, que a empresa lança agora no Brasil, é bem mais modesto. Com um processador de baixo custo, o aparelho chega para competir com os modelos mais baratos de Motorola, LG e Samsung atualmente em disputa no mercado brasileiro.

Além da câmera dupla, que promete fotos com efeito de fundo desfocado, o Nokia 3.2 vem com bateria de longa duração (4.000 mAh) e atualizações de sistema garantidas por até dois anos.

O smartphone está à venda pelo site brasileiro da Nokia e também no varejo online, através das lojas Americanas, Submarino, Shoptime e Pernambucanas.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também