No português e no apito! Real Madrid bate o Bayern em noite espetacular de Marcelo

Por Tauan Ambrosio 

A vitória por 4 a 2 do Real Madrid sobre o Bayern de Munique foi tão espetacular quanto polêmica, em uma partida disputada sob uma intensidade alucinante. Em campo, duas camisas gigantes e alguns dos maiores craques do mundo. A equipe da capital espanhola tinha a vantagem pelo resultado obtido no primeiro encontro, e os alemães vinham com tudo para surpreender. Mas além de uma lambança cometida pela arbitragem, foi graças a três jogadores que se entendem tão bem no campo quanto na língua portuguesa que os atuais campeões seguem na disputa.

Como qualquer equipe que vai em busca de uma virada, o Bayern de Munique dominou a posse de bola na etapa inicial. Os alemães criaram a primeira grande chance de gol, que só não terminou do jeito que os bávaros queriam por causa de uma grande defesa de Marcelo. Foi o primeiro lance de destaque, dentre muitos que viriam, do lateral-esquerdo brasileiro em seu 400º jogo vestindo a camisa merengue. E também a única chance do Bayern nos primeiros 45 minutos.

Afinal de contas, apesar de dominarem a posse de bola (54,2%) os alemães não conseguiram completar nenhum chute na direção do gol defendido por Keylor Navas. Do outro lado, apostando na maioria das vezes em contra-ataques, os donos da casa fizeram Manuel Neuer trabalhar mais vezes, com três arremates certos em 13 tentativas. Desde o início, cada jogada era disputada como se valesse a própria classificação. Seria assim até o final.

Marcelo Real Madrid Bayern Champions League 18 04 2017

Marcelo evitou 2 gols certos do Bayern, e criou 8 chances (Foto: Getty Images)

No segundo tempo, o Bayern voltou disposto a balançar as redes e colocar as cartas na mesa para acabar com a vantagem de 2 a 1 construída pelos espanhóis na ida. E assim como havia acontecido na etapa anterior, Marcelo apareceu para evitar um tento adversário. Na primeira jogada, a bola chegou dentro da área e o chute de Robben já havia passado por Navas. O encontro com as redes só não aconteceu porque o camisa 12 apareceu, em cima da linha, na hora exata para afastar o perigo.

Quando a meta de Keylor Navas enfim foi batida, outro brasileiro teve importância fundamental. Mas não da melhor maneira. Casemiro chegou segundos atrasados para roubar a bola de Robben e cometeu o pênalti, convertido por Robert Lewandowski. Para não aparecer como vilão da história, o meio-campista não se abateu: continuou por todas as partes do gramado, e durante um excelente avanço ao campo contrário descolou uma assistência de craque. Casemiro parou por um segundo, viu Cristiano Ronaldo se infiltrar entre Boateng e Lahm e levantou a bola na área. O português cabeceou para empatar, uma comemoração toda feita na chamada ‘língua de Camões’.

Só que mal deu para soltar o palavrão presente nas comemorações, antes de voltar a usar os impropérios linguísticos para lamentar. Na jogada seguinte, a defesa espanhola se atrapalhou toda e Sergio Ramos fez um infeliz gol contra. Com 77 minutos disputados o Bayern igualava o placar do jogo de ida. Só que o ritmo continuava intenso, e os alemães passaram a se preocupar depois que Vidal levou o segundo cartão amarelo e deixou o campo, aos 84’.

Fuera de juego Cristiano Ronaldo Real Madrid Bayern Munich UCL 18042017

Impedimento claro de CR7 no gol que praticamente decidiu o jogo (Foto: Reprodução/Antena3)

Ancelotti Real madrid Bayern Champions League 18 04 2017

A arbitragem também foi decisiva... infelizmente (Foto: Getty Images)

O empate persistiu até o apito final, e a prorrogação se fez necessária. E se alguém achava que a arbitragem já vinha dando mostras de incompetência, viu que o pior ainda estava por vir. Em posição clara de impedimento, Cristiano Ronaldo dominou a bola cruzada por Sergio Ramos e empatou: 2 a 2, de maneira constrangedora pelo tamanho do erro. O Bayern reclamou e sentiu o golpe.

Marcelo Cristiano Ronaldo Sergio Ramos Real Madrid Bayern Munich UCL 18042017

Marcelo 'consagrou' CR7 no histórico 100º gol (Foto: Getty Images)

Quem aproveitou foi Marcelo, que já vinha aparecendo como melhor da partida. O brasileiro se mostrou incansável tanto no ataque quanto na defesa: terminou o embate como jogador que fez mais interceptações [4, mesmo número de Casemiro e Nacho], foi o que mais vezes tocou na bola [105] e quem mais criou chances de gols [8]. Além disso, protagonizou uma jogada espetacular ao sair driblando adversários, chegar na cara do gol e dar o passe para o 100º tento de Cristiano Ronaldo na Champions League. Asensio completou o placar para 4 a 2, em momento no qual o Bayern já estava entregue.

Um jogo tão intenso quanto polêmico, uma arbitragem tão decisivamente ruim quanto Marcelo foi positivamente decisivo. É como se o lateral-esquerdo tivesse sido, além de todos os excelentes números, autor de três gols para o seu time: pelas duas bolas que salvou em cima da linha, e pelo passe para o histórico tento de CR7. O Real Madrid avança para a sua sétima semifinal seguida carregando, por um lado, o peso de ter sido beneficiado escandalosamente pela arbitragem, mas também pelas exibições espetaculares de três jogadores que se entendem muito bem no idioma português: o ‘todo-campista’ Casemiro, o pulverizador de recordes que é Cristiano Ronaldo e Marcelo, o melhor lateral-esquerdo do mundo.