No embalo de Jesus: como ele mudou o Flamengo e ganhou a América

Jorge Jesus vibra após título da Libertadores - (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)
Jorge Jesus vibra após título da Libertadores - (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)


O título da Conmebol Libertadores conquistado pelo Flamengo neste sábado coroa o trabalho de mudança do Flamengo com o comando de Jorge Jesus. Com 34 jogos pelo Rubro-Negro, já foram 24 vitórias, oito empates e apenas duas derrotas, o que gera um aproveitamento de quase 80%. Foram 73 gols marcados pelo Fla sob o comando do português, com somente 28 gols contra, um saldo de gols positivo de 45. Estatísticas que impressionam. Como estes números foram alcançados? O LANCE! destrincha agora.

Antes, uma comparação com o Flamengo no período anterior com Abel Braga como treinador. O atual técnico do Cruzeiro esteve à frente do Rubro-Negro por 32 partidas, com 19 vitórias, oito empates e cinco derrotas, em um aproveitamento de 67,7%. Foram 59 gols marcados, 29 sofridos, terminando com um saldo positivo de 30. Números também consideráveis, apesar de terem uma diferença significativa de rendimento em comparação aos de Jorge Jesus.

Uma grande influência para esta mudança que resultou na conquista da América foi a retomada da confiança e do prazer em jogar futebol. Jorge Jesus colocou em prática no Flamengo uma filosofia até então inexistente entre os clubes brasileiros: aprimorar os passes trocados por partida, os acertos nestes passes, as chances criadas no jogo, as finalizações, as bolas recuperadas, a média de posse de bola...

O sucesso deste trabalho de transformação do Flamengo de Jorge Jesus reflete no tratamento dos torcedores rubro-negros para o treinador. Na saída do Ninho do Urubu, centro de treinamento do Fla em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na quarta-feira passada, o ônibus com a delegação foi abraçado por milhares de torcedores, cenário que também foi visto na chegada ao aeroporto para o embarque a Lima, no Peru. Ao longo dos jogos, recordes e mais recordes de públicos foram atestados nos estádios. Jesus tocou neste ponto.

- Quando saímos do Ninho, senti que era uma nação atrás de um sonho. Não só torcedores do Flamengo, mas quase todo o Brasil. Temos a prioridade do prazer, da paixão, e não da emoção. Quando se pensa na frente, as equipes ficam atrofiadas. Trabalhamos a vertente do prazer. O que nos move é nossa confiança e prazer - comentou o treinador na última entrevista coletiva antes da final da Libertadores, na sexta-feira, já em Lima, no Peru.

É inegável que Jorge Jesus já fez história no Flamengo e no futebol brasileiro. Agora, antes do fim da temporada, o português pode colocar ainda mais o seu nome no clube. Neste domingo, caso o Palmeiras não derrote o Grêmio, o Rubro-Negro, mesmo sem entrar em campo, faturará o título do Campeonato Brasileiro. No próximo mês, tem a disputa do Mundial de Clubes, maior objetivo que um clube de futebol pode possuir. No embalo de Jesus, estes desafios ficam mais fáceis de serem concluídos com êxito pelo Flamengo.







Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também