No Catar, Brasil está focado "exclusivamente" no futebol

O Brasil está focado "exclusivamente" no futebol na Copa do Mundo do Catar, que começa neste domingo em meio a diversas polêmicas, disse o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

"Estamos focados somente ali dentro de campo, exclusivamente. Essas outras bandeiras a gente respeita todas, entende os posicionamentos", disse Rodrigues a jornalistas antes do primeiro treino da Seleção em Doha.

"É outro país, tem que respeitar sua cultura. Respeitamos todas as reivindicações, mas a CBF está focada somente em manifestações sobre o futebol", acrescentou.

A primeira Copa do Mundo organizada em um país árabe começa hoje com o jogo entre os anfitriões e o Equador.

Antes do pontapé inicial, o Catar vem sendo questionado pela situação dos direitos humanos, o meio ambiente, o tratamento dado à população LGBTQIA+ e aos trabalhadores migrantes durante os anos de preparação.

Além disso, na sexta-feira foi anunciada a proibição da venda de cerveja nos arredores dos estádios. O álcool é proibido na nação islâmica, com algumas exceções.

A Fifa defendeu o Catar, um pequeno país de quase três milhões de habitantes, e denunciou a "hipocrisia" e as "lições de moral" dos países ocidentais que questionaram os organizadores.

Algumas seleções se posicionaram sobre diversas situações em território catari.

Alemanha e Dinamarca avisaram que seus capitães, Manuel Neuer e Simon Kjaer, usariam a braçadeira 'One Love', a favor da inclusão e contra a discriminação, e não uma das que foram propostas pela Fifa, com os lemas: 'Salve o planeta', 'Educação para todos' e 'Não à discriminação'.

A Seleção Brasileira, que chegou a Doha na noite de sábado após treinar cinco dias na Itália, estreia no Mundial na quinta-feira contra a Sérvia, pelo Grupo G, integrado também por Suíça e Camarões.

raa/psr/cb