No Barradão, Vitória bate o CRB de virada e se afasta do Z4

Futebol Latino
·2 minuto de leitura


Tentando se afastar das últimas colocações no Brasileirão Série B, o Vitória recebeu o CRB na noite deste sábado (28), pela 24ª rodada, no Barradão.

E a equipe comandada pelo técnico interino Rodrigo Chagas, que assumiu o time após a saída de Eduardo Barroca, se deu bem. Com o placar final de 2 a 1, o Leão chegou aos 29 pontos, pulando para a 15ª colocação, enquanto o Galo, com o resultado, caiu para a 10ª posição com agora 32 pontos somados.

O jogo

Apesar de iniciar o confronto tentando ficar com mais posse de bola, além de pressionar o Vitória em seu campo de defesa, o CRB, por muito pouco, não viu os donos da casa abrirem a contagem no Barradão. Em duas tentativas seguidas, Léo Ceará, praticamente de frente para o gol, acabou arriscando dois chutes que passaram muito perto da trave de Edson Mardden.

Continuando a criar as melhores chances em campo, outra vez o Leão deu trabalho ao camisa 1 do time alagoano. Desta vez, Vico, após a bola ser jogada na área, chutou à queima roupa contra o arqueiro, que conseguiu fazer a defesa, porém o lance foi parado pelo árbitro flagrando uma irregularidade do atacante.

Quando tudo parecia que o Vitória era quem abriria o placar, o CRB, aos 23 minutos, marcou o primeiro. Após receber na esquerda, Bill passou por Léo Morais e cruzou na marca do pênalti, fazendo com que Hyuri só tivesse o trabalho de empurrar para o fundo das redes. 1 a 0.

Entretanto o Leão, não deixando barato o gol sofrido, minutos mais tarde, aos 30, deixou tudo igual novamente. Em lance iniciado no forte chute de Lucas Cândido, que fez Edson Mardden fazer a defesa, a bola sobrou para Rafael Carioca que, sem marcação, escolheu o canto para marcar. 1 a 1.

Já na reta final da etapa, aos 39, Léo Ceará, após não ter êxito em algumas tentativas no início, finalmente conseguiu deixar o dele. Em jogada iniciada com o cruzamento de Rafael Carioca, a bola foi direto na cabeça do camisa 9 que mandou com força para as redes. Era a vidada do Leão. 2 a 1.

Já no segundo tempo, o Galo voltou com duas alterações promovidas pelo técnico Ramon Menezes. No entanto, diferente de como foi nos primeiros 45 minutos, os movimentos iniciais foram de poucos lances de perigo.

Na sequência, desta vez os dois técnicos optaram por mais algumas substituições dos dois lados. Porém, o panorama do jogo basicamente continuou igual, com o Vitória conseguindo chegar com mais frequência em seu campo de ataque, valorizando o tempo e a posse de bola.

Próximo dos momentos finais, a situação inverteu-se com o Galo pressionando o Vitória que, por sua vez, se fechou em seu campo de defesa. Entretanto, percebendo que o adversário não tinha forças para encontrar seu tento de igualdade, apenas valorizou o restante dos minutos até o apito final da arbitragem no Barradão.