Noël Le Graët é afastado da presidência da Federação Francesa de Futebol

Noël Le Graët, envolvido em diversos escândalos e polêmicas, foi "afastado" da presidência da Federação Francesa de Futebol (FFF) por seu Comitê Executivo extraordinário, que se reuniu nesta quarta-feira em Paris.

"NLG (Noël Le Graët) foi afastado (...) Philippe Diallo assumirá o período como interino", explicou à AFP um membro do Comitê Executivo, que não falou em demissão.

O mandato de presidente interino de Diallo deve durar "até (a reunião) do Comex (Comitê Executivo) seguinte à publicação do relatório de auditoria" sobre o funcionamento da FFF, que foi encomendado pela ministra dos Esportes da França, Amélie Oudéa-Castéra.

A reunião do Comitê Executivo (14 membros, contando o presidente) começou por volta das 11h (horário local, 7h de Brasília) na sede da FFF, em Paris.

No cargo desde 2011, Noël Le Graët (81 anos), ex-prefeito da cidade de Guingamp, teve que responder a vários assuntos.

- Denúncia de assédio -

A denúncia da agente de jogadores Sonia Souid, que acusou diretamente Le Graët de comportamento sexista para tentar ter relações íntimas com ela, complicou a situação do dirigente.

Sua atitude sexista, especialmente em relação a ex-funcionárias da FFF, está no coração da auditoria encomendada pelo Ministério dos Esportes, cujas conclusões são aguardadas para o final de janeiro, embora algumas informações já tenham sido vazadas.

A rádio France Inter revelou que "várias mulheres" tinham "denunciado" o comportamento inapropriado de Noël Le Graët, o que foi confirmado à AFP por uma fonte próxima ao assunto.

Nesse contexto explosivo, o porta-voz do governo da França, Olivier Véran, afirmou que a FFF "merece um presidente à altura" e que "permita passar uma boa imagem do futebol francês ao mundo".

Após saber do afastamento de Le Graët, a ministra Oudéa-Castéra reagiu em uma declaração à AFP: "Comemoro a decisão tomada pelo Comex da FFF de se reunir rapidamente e atuar".

Para a chefe da pasta dos esportes, afastar o presidente é "uma etapa necessária, vistos os elementos já conhecidos sobre sua atitude".

- Zidane e o telefone -

Um dia após anunciar a renovação do técnico Didier Deschamps no comando da seleção francesa até 2026, declarações consideradas depreciativas de Le Graët sobre Zinédine Zidane, ídolo do futebol francês, geraram grande repercussão no país.

Em entrevista à rádio RMC no último domingo, o dirigente disse que "nem teria atendido um telefonema" de Zidane por não cogitá-lo como treinador dos 'Bleus', pois sua prioridade era renovar com Deschamps.

O atacante Kylian Mbappé e a ministra Oudéa-Castéra, entre outros, criticaram Le Graët, que na segunda-feira se desculpou por suas "palavras infelizes" sobre Zidane.

- Presidente interino -

Philippe Diallo, que será presidente da FFF de forma interina, tem 59 anos e está há décadas trabalhando no mundo do futebol, embora para o grande público seja um desconhecido.

Ele dirigiu por quase 30 anos (de 1992 a 2021) a União de Clubes Profissionais de Futebol (UCPF), o sindicato patronal de clubes profissionais, e teve um papel importante nas reformas das normas de transferências de jogadores.

É filho de um boxeador senegalês e entrou na FFF como integrante da lista de Noël Le Graët quando este foi reeleito em março de 2021.

kn-rbo-eba/ng/hpa/dr/mcd/cb