Atlético-PR bate Flamengo em choque de rubro-negros e lidera grupo 4

Curitiba, 26 abr (EFE).- Derrotado pelo Flamengo por 2 a 1 no Maracanã há duas semanas, o Atlético-PR devolveu o placar nesta quarta-feira, na Arena da Baixada, em Curitiba, e assumiu a liderança do grupo 4 da Taça Libertadores.

Thiago Heleno, em cabeceio sem querer, abriu o placar para a equipe anfitriã, que ampliou já na reta final do confronto de rubro-negros, com Felipe Gedoz. Willian Arão ainda diminuiu, mas não evitou a segunda derrota do campeão de 1981 nesta edição do torneio continental.

A tabela da chave se tornou uma escada, com um ponto de diferença entre os concorrentes. O Furacão foi a sete pontos, um a mais que o adversário desta noite. A Universidad Católica é terceira colocada, com cinco pontos, mesmo depois de ter perdido para o San Lorenzo, lanterna, com quatro, na terça-feira por 2 a 1.

Com esse cenário, os dois times brasileiros poderão se ajudar e classificar juntos já na próxima rodada, daqui a uma semana. Para isso, precisarão vencer como anfitriões. O rubro-negro paranaense receberá o 'Ciclón', enquanto o carioca medirá forças com a Católica.

O Furacão teve uma série de desfalques para o jogo desta quarta, a começar pela lateral direita, posição em que Paulo Autuori teve de improvisar o zagueiro Zé Ivaldo porque Jonathan está lesionado. O mesmo acontece com o meia Carlos Alberto e o atacante Pablo.

No Fla, a principal estrela da companhia, o meia Diego, foi desfalque por uma contusão no joelho, sofrida justamente na partida da terceira rodada. O atacante Berrío cumpriu suspensão, enquanto o zagueiro Donatti, com dores musculares, ficou no banco. Além disso, de última hora, Everton foi vetado, o que levou Trauco a atuar na ponta, com Renê na lateral.

Com pouco tempo de jogo, logo aos sete minutos do primeiro tempo, o Atlético acertou a trave. Nikão aproveitou indecisão da defesa, cortou Rafael Vaz e chutou forte no poste direito. A bola voltou para o meio, e a defesa afastou.

Os visitantes responderam em dose dupla. Aos 11 minutos, em escanteio ensaiado, Gabriel fez o chveirinho e Rômulo cabeceou perigosamente à direita do alvo. Dois minutos depois, Guerrero partiu no mano a mano, deixou Thiago Heleno na saudade e errou a meta por centímetros.

Depois disso, o jogo perdeu um pouco em intensidade, sem que nenhuma das equipes entrasse na área do adversário com muito perigo. Quem rompeu a inércia, aos 28, foi Márcio Araújo, que disparou pela direita e cruzou por baixo buscando Rômulo. O volante foi atrapalhado por José Ivaldo e não conseguiu completar.

As chances mais claras - mesmo que não tão claras - eram do Flamengo, mas quem fez 1 a 0 foi o vice-campeão da Libertadores de 2005. Aos 36 minutos, depois de levantamento alto da direita, Thiago Heleno subiu bem mesmo cercado por três e cabeceou tentando colocar no miolo da área, mas colocou no canto esquerdo. Atrapalhado por Eduardo da Silva, Alex Muralha não conseguiu interceptar.

Guerrero começou o segundo tempo dando trabalho à defesa do Furacão. Aos dois minutos, o peruano fez o pivô e rolou até Pará, que encheu o pé. Weverton espalmou, e a zaga afastou. Pouco depois, aos três, o centroavante até balançou a rede, mas foi flagrado em impedimento.

O Atlético não se acuava e trocava passes com paciência até aparecer uma oportunidade para finalizar. Aos dez, Douglas Coutinho encarou a marcação e chutou com veneno de longe, dando trabalho a Alex Muralha.

O jogo ia passando como o campeão brasileiro de 2001 gostaria, sem muita intensidade. Aos 19, Rafael Vaz ganhou no alto, e Weverton pegou. Zé Ricardo então mandou a campo Matheus Sávio e Leandro Damião nas vagas de Renê - com Trauco de volta à lateral - e Rômulo.

Damião fez em poucos instantes o que ninguém do Flamengo havia feito até então, em dois cabeceios. No primeiro, aos 28, depois de levantamento de Matheus Sáveio, o centroavanta mandou rente à trave esquerda. Na segunda, dois minutos depois, carimbou o travessão. Guerrero ainda ficou com o rebote, mas o goleiro campeão olímpico encaixou.

Embora não tenha jogado por muito tempo, Leandro Damião não poderá reclamar da falta de chances para deixar o seu. Trauco foi ao fundo pela esquerda e levantou na medida para o centroavante, que, novamente de cabeça, concluiu por cima do travessão, aos 36.

Na sequência, aos 39 minutos, houve uma oportunidade clara para cada lado, mas em ambas os protagonistas pegaram mal na bola. Pará cruzou por baixo para Gabriel, que bateu torto. Logo na saída do Atlético para o ataque, Felipe Gedoz chutou por cima.

O duelo era lá e cá, e o Fla vacilava no ataque. O Furacão foi mais preciso e aumentou aos 42, no contra-ataque. Eduardo da Silva dominou na ponta e colocou na área por baixo para Gedoz, que desta vez acertou o canto direito e balançou a rede.

Os visitantes ainda queriam jogo e diminuíram aos 44. Mancuello, que substituíra Márcio Araújo, cobrou escanteio da esquerda e, após confusão na área, Willian Arão descontou.

Ainda houve outro córner para o campeão da América de 1981, agora pela esquerda. Até Muralha foi para a área, mas a defesa rechaçou, e o Atlético confirmou a vitória e a liderança.


Ficha técnica:.

Atlético-PR: Weverton; José Ivaldo, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio e Matheus Rossetto (Wanderson); Nikão, Lucho González (Felipe Gedoz) e Douglas Coutinho (João Pedro); Eduardo da Silva. Técnico: Paulo Autuori.

Flamengo: Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Renê (Matheus Sávio); Márcio Araújo (Mancuello), Willian Arão e Rômulo (Leandro Damião); Gabriel, Trauco e Guerrero. Técnico: Zé Ricardo.

Árbitro: José Argote (Venezuela), auxiliado pelos compatriotas Luis Murillo e Jorge Urrego.

Cartões amarelos: Weverton (Atlético-PR); Guerrero e Mancuello (Flamengo).

Gols: Thiago Heleno e Felipe Gedoz (Atlético-PR); Willian Arão (Flamengo).

Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba. EFE