Nino sonha em jogar a Libertadores com o Fluminense e defende: 'Tem muita coisa boa no time'

LANCE!
·3 minuto de leitura


Com a vitória na última rodada e resultados favoráveis dos outros concorrentes, o Fluminense está confortável na sétima posição e firme na briga por uma vaga na Libertadores. Mesmo com alguns tropeços recentes inesperados, o grupo continua confiante pela conquista da vaga, tratada como o objetivo geral nesta reta final de temporada. Faltando seis partidas, o zagueiro Nino afirmou, em entrevista coletiva no CT Carlos Castilho, nesta quarta-feira, que tem o sonho de disputar a competição.

> Fluminense chega a 86 gols e 22 jogadores diferentes balançando a rede na temporada; veja a lista

- O importante é estar sempre somando. A gente vem de três bons resultados. Se mantivermos essa média de a cada nove pontos disputados, fazer sete, com certeza estaremos na Libertadores. É continuar trabalhando, sabendo que tem muita coisa para melhorar... Ir sempre em busca disso, mas também sabendo que não está tudo errado. Estamos conseguindo sair com bons resultados e tem muita coisa boa dentro do nosso time - disse o zagueiro.

- Com certeza é um sonho jogar uma Libertadores. Quando garoto, a gente assiste, e é o que enche os nossos olhos. E a gente sonha em jogar sempre essas grandes competições. Por um grande tempo na nossa vida, esse sonho foi bem distante. Eu me vi muito distante dessa realidade. Por algumas vezes, eu acreditei que não conseguiria jogar uma competição como a Libertadores em um time gigante como o Fluminense. E ver essa possibilidade surgindo me enche de alegria, gratidão - completou.

VEJA E SIMULE A TABELA DO BRASILEIRÃO

Depois de ser desfalque por suspensão, Nino acabou ficando no banco de reservas, perdendo a vaga para Matheus Ferraz. Entretanto, no clássico com o Botafogo ele retornou à equipe e foi bem. O zagueiro afirmou que não fica chateado quando é preterido e enalteceu a boa disputa entre os defensores do Fluminense.

– Quando sei da qualidade dos meus companheiros, dos que acabam concorrendo comigo por uma vaga, eu sei que há a possibilidade de eu ir para o banco, de começar como reserva. Isso não me incomoda. Sei que não existe injustiça quando todos os jogadores são de alto nível. Minha cabeça foi sempre me preparar para quando tivesse a oportunidade, aproveitar. E vai ser sempre assim: o treinador soberano, e o que ele escolher, a gente vai acatar e continuar fazendo o nosso melhor. Eles (Marcão e Ailton) que tocam o elenco, que gerem tão bem o nosso grupo, a gente entende e compreende que o melhor para o Fluminense vai ser sempre feito - garantiu.

Nino ainda defendeu o trabalho de Marcão, que continua sendo criticado por conta das atuações ruins do Fluminense desde que ele assumiu o time. O zagueiro relembrou que quando Odair Hellmann comandava a equipe, os torcedores costumavam falar mal do treinador.

- As críticas não vão abalar e não vão mudar em nada o trabalho dele, até porque o Odair agora é muito elogiado, mas quando estava aqui era muito criticado. Muitas, muitas e muitas críticas e críticas duras ao trabalho que ele desempenhava aqui. Outros jogadores que saíram, agora, são elogiados, mas quando saíram eram muito criticados. Isso não pode nos abalar e mudar em nada o nosso trabalho - concluiu.