Neymar vê Brasil favorito na Copa e avisa: 'Quando me batem eu fico com mais vontade de driblar'


O técnico Tite convoca a Seleção Brasileira para a Copa do Mundo nesta segunda-feira, e quem certamente estará na lista é Neymar, maior astro do Brasil nesta geração. Aos 30 anos, ele vai ao seu terceiro Mundial e quer aproveitar a sua boa fase na Europa para fazer valer o favoritismo da Amarelinha no torneio no Qatar.


> Veja quem pode aparecer na lista da Seleção para Copa do Mundo
> Veja a tabela da Copa do Mundo-2022 clicando aqui


Em entrevista para o "Esporte Espetacular" da TV Globo, o atacante do PSG não fugiu da resposta sobre quem seriam os favoritos na Copa e declarou o Brasil como um deles, mas elencou outros.

- Brasil (é favorito), não precisa fugir disso. França, Argentina, Alemanha, são times que também vêm muito bem - disse Ney.

O camisa 10 da Seleção vive excelente fase nesta temporada. São 15 gols e 11 assistências em 19 jogos, participação direta em 26 tentos, média de mais de um por partida. Ele, no entanto, não quer saber quem é o melhor, mas sim continuar com esse ótimo momento.

- Não gosto muito de ficar falando que eu sou o melhor, ou que eu sou melhor do que o outro. Eu gosto de continuar bem, de me superar a cada jogo, de me superar a cada dia. Então é isso que eu quero fazer nesta temporada, se eu comecei bem agora, eu quero melhorar muito mais, tanto em gols, quanto assistências ou jogando futebol. Só quero melhorar sempre - afirmou antes de completar:

- Pouca gente sabe o que acontece no meu dia a dia, do esforço que eu sempre fiz na minha carreira, suei bastante, suo muito para conquistar o que eu quero, as coisas que eu tenho como objetivo, mas eu estou feliz, estou contente pelo começo de temporada, pelos treinos, por tudo.

Neymar
Neymar

Neymar prometeu mais dribles (Foto: FRANCK FIFE / AFP)

Embora reconheça que o Campeonato Francês é mais forte do que pensava, nada disso fez com que Neymar deixasse de usar sua principal característica: o drible. E ele deixou avisado para todos aqueles quem partam para a violência: se bater, vai driblar mais.

- Eu não sabia o quanto era forte e intenso o Francês até jogar ele. A única forma que tem é você estar esperto, ligado no jogo, pra não sofrer as lesões que eu sofri com entradas violentas. Então é estar mais esperto do que nunca - disse antes de completar.

- (Driblar) é a única forma que eu tenho não só de me defender, mas como de atacar o adversário. Já que eu não sei dar pancada, não sei marcar, não sou um marcador que tem essa qualidade de marcar, então eu tenho o drible, né? Então, é isso que eu faço. Quando me batem eu fico com mais vontade de driblar o cara - concluiu.

Neste ano, pela Seleção Brasileira, Neymar fez cinco jogos, marcou cinco gols e deu duas assistências. A Copa do Mundo do Qatar será a sua terceira na carreira. As outras duas foram no Brasil, em 2014, e na Rússia, em 2018. Ney e seus companheiros estreiam no Mundial no dia 24 deste mês, contra a Sérvia, às 16h (de Brasília).