Neymar no Barcelona? Interesse do PSG em Coutinho pode ajudar

Yahoo Esportes
Neymar já negocia há dias com o Barcelona (Quality Sport Images/Getty Images)
Neymar já negocia há dias com o Barcelona (Quality Sport Images/Getty Images)

Neymar parece cada dia mais distante da permanência no PSG. E o clube favorito para contratar o atacante brasileiro é o Barcelona, dono de um jogador que interessa e muito ao PSG: Phillipe Coutinho. A informação sobre a possibilidade de troca foi confirmada por uma pessoa muito próxima ao pai de Neymar.

Seu Neymar é quem cuida das tratativas com o presidente do Barça, Josep Maria Bartomeu. O primeiro a revelar que o Barcelona já negocia a volta de Neymar foi o Globoesporte.com, no início da noite desta segunda-feira.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

As conversas entre Barcelona e PSG giram em torno da possibilidade de os espanhóis investirem um dinheiro e incluírem jogadores. Coutinho havia sido comprado na temporada passada pelo Barça junto ao Liverpool em um negócio que chegaria a no máximo 160 milhões de euros. Já Neymar custou 222 milhões de euros ao PSG.

Outra alternativa para o Barcelona seria bancar 100 milhões de euros e incluir jogadores como Umtiti, Dembélé e Rakitic.

Neymar tem seu nome defendido pelos principais líderes do elenco catalão, como Messi, Suárez e Piqué. Foi com o aval do grupo que Bartomeu iniciou as tratativas com Nasser Al Khelaifi, presidente do PSG.

Em Paris, o brasileiro parece cada dia mais sem clima, conforme ficou evidente na entrevista mais recente de Al Khelaifi. “Quero jogadores dispostos a dar tudo para defender a honra da camisa e participar do projeto do clube. Aqueles que não querem, ou não entendem, nós vemos e conversamos uns com os outros.”

O mais curioso é que Neymar cobra na Justiça 26 milhões de euros do Barcelona, referentes a um bônus pela renovação do contrato, assinada em outubro de 2016. O Barça se defende alegando que o novo vínculo perdeu validade no momento em que Neymar, menos de um ano depois do acerto, deixou a Catalunha mediante pagamento da multa rescisória.

Leia também