Neymar está cada vez mais perto de Messi

Neymar vive o auge de sua carreira. O atacante, camisa 11 no Barcelona, acostumado a ser coadjuvante para Lionel Messi, tem se tornado protagonista. Foi o que aconteceu contra o PSG, nas oitavas de final da Champions League, há menos de um mês, quando marcou duas vezes e deu assistência para o gol decisivo do 6 a 1 histórico.

Com 25 anos, o brasileiro precisou de 177 jogos para chegar a marca de 100 gols. Com o tento, contra o Granada, na goleada por 4 a 1, o camisa 11 conseguiu algo difícil, superou Messi em uma estatística. O argentino precisou de 186 partidas para fazer o mesmo. Apenas quatro jogadores fizeram isso mais rápido que Ney.

Neymar
(Foto: Getty Images)

VEJA TAMBÉM:
Messi se aproxima de renovação | Cartoon do Dia | 'Neymar é o número 2 do Mundo'

Mariano Martín, Galego, Luis Suárez e Evaristo Eulogio estão à frente de Neymar, que também deu 57 assistências. Até pouco tempo atrás, seria impensável pensar que alguém poderia assumir tão naturalmente a coroa de melhor do mundo. Hoje, Neymar merece pelo menos a discussão sobre o assunto.

Messi x Neymar na La Liga:

No último mês, conforme analisa o jornal Sport, Neymar foi o melhor jogador do mundo. Levando em conta toda a temporada, é outra história. Os títulos que o Barcelona pode ou não reivindicar também irão definir as chances do brasileiro nas premiações individuais.

Neymar tem se mostrado um atacante completo. Dos 100 gols, marcou oito de fora da área e 92 dentro dela. Foram 64 no espanhol, 21 na Champions, 14 na Copa do Rei e um na Supercopa da Espanha. Uma só vez ele marcou quatro gols em um jogo. Outras duas vezes fez um hat-trick. Foram seis de cabeça, 70 de pé direito e 24 de pé esquerdo.

Messi x Neymar na Champions League:

E ao contrário de Messi, que sofre de uma estranha contradição entre o que faz no time e o que faz na seleção, o crescimento de Neymar no clube foi acompanhado por seu brilho com o Brasil, do técnico Tite. Até mesmo quando ele chegou ao Barça, já estava consolidado na Seleção (havia vencido a Copa das Confederações, em 2013) e, desde então, se tornou o líder natural de uma equipe que conquistou os Jogos Olímpicos e garantiu vaga na próxima Copa.