Neymar e PSG, uma relação frutífera mas com o futuro a ser definido

Alexis HONTANG
·4 minuto de leitura

No momento, o casamento é lucrativo para ambas as partes. Superastro de renome global, Neymar é um fenômeno de marketing do qual se beneficia o Paris Saint-Germain, que espera renovar o contrato do brasileiro, que expira em 2022.

"Contratar um jogador desse calibre não é uma despesa, é o melhor investimento do mundo", resume para a AFP Jordi Farré, um dos aspirantes à presidência do Barcelona, ex-clube de 'Ney' (de 2013 a 2017).

E vale lembrar que o Barça poderia legitimamente guardar um certo ressentimento em relação ao jogador após sua estrondosa saída para o PSG.

Mas diante da perspectiva de receita e dos gols que sua volta pode trazer, alguns na Catalunha se dispõem a virar essa página: "O retorno de Neymar seria pouco caro, porque ele faz com que se vendam camisas, direitos, publicidade, patrocinadores... ", acrescenta o candidato.

O brasileiro de 28 anos não é apenas um dos jogadores mais talentosos do planeta, um potencial Bola de Ouro (foi 3º na prestigiosa premiação em 2015 e 2017). É uma máquina econômica que dribla a crise assim como faz com seus marcadores.

Seu contrato anunciado em setembro com a Puma, que lhe rende entre 25 e 30 milhões de dólares segundo a imprensa, seria o mais lucrativo já assinado entre um jogador de futebol e uma marca esportiva.

- "Neymar mudou tudo" -

Seus 143 milhões de seguidores no Instagram, quatro vezes mais do que o próprio PSG, fazem dele a décima personalidade mais seguida na popular rede social. No Brasil, ele é o atleta que mais gerou impacto no Twitter em 2020.

Neymar, com um faturamento estimado em 80 milhões de euros (cerca de 97,6 milhões de dólares) este ano pela revista Forbes, é garoto-propaganda das marcas de moda italiana Replay e Diesel, da companhia aérea Qatar Airways, do grupo austríaco Red Bull e da operadora francesa de telecomunicações SFR.

"Neymar brilha e em muitos lugares mais do que o PSG!". Sua 'personal brending' (marca pessoal) é muito forte. Interessa a muita gente e não apenas aos torcedores do futebol", explica Jérôme Neveu, presidente-fundador da agência francesa Advent, especialista em marketing esportivo.

No momento das negociações em curso para a prorrogação de seu contrato, esses dados econômicos são essenciais para um clube como o PSG, que também conta com o renome de seus craques, de David Beckham a Zlatan Ibrahimovic, para continuar crescendo.

Neste momento, o investimento recorde feito para tirar Neymar do Barcelona (222 milhões de euros/271 milhões de dólares) se traduz em um volume de negócios de 30% entre 2017 e 2019, de acordo com a empresa de auditoria Deloitte, antes da crise provocada pela pandemia de covid-19. Também coincide com a entrada do PSG no top 5 mundial, impulsionada pelos contratos assinados com Nike e Accor.

Na China, onde o PSG tenta vender sua imagem de 'estilo de vida', "Neymar mudou tudo", explica Robert Li, membro do fã-clube chinês do clube parisiense. "Antes de sua chegada, o PSG era conhecido apenas por especialistas. Hoje, vemos garotas com a camisa do Brasil, adolescentes... é dia e noite!".

"Ele é jovem, um menino bonito, com glamour, um pouco como Paris. Até as pessoas com a camisa do Barça vêm para o fã-clube de Neymar", continua.

A imagem do astro brasileiro foi reforçada, e isso apesar de certos escândalos, como as acusações de estupro que teve de enfrentar em 2019 (um caso que acabou sendo arquivado), ou seus problemas com o fisco da Espanha, sem contar suas quedas exageradas durante a Copa do Mundo de 2018 que provocaram piadas entre os torcedores.

- Faltam Bola de Ouro e Champions -

Mas Neymar está longe de reunir apoio e adesão unânimes, mesmo na capital francesa, onde alguns torcedores o criticam por suas inúmeras lesões. Mas o PSG está ligado ao seu camisa 10 na busca de novos mercados.

Neymar busca sua primeira Bola de Ouro, o PSG sua primeira Liga dos Campeões e se a união deles estava destinada a durar, que efeito a esperada chegada do técnico argentino Mauricio Pochettino teria sobre essa relação?

"É importante ter um superastro, mas existe a possibilidade de mudança", aponta Jean-Pascal Gayant, professor de economia da Universidade de Le Mans. "Para mim, Neymar é substituível", conclui ele.

ah-dbh/jed/iga/aam