Neymar já reina em Paris, sua nova casa

Por Corentin DAUTREPPE

Em apenas dois jogos na Ligue 1, Neymar já conquistou sua nova casa: Paris. Três gols, assistências, além de repertório extenso de dribles e lances de efeito, foram apenas alguns dos atributos da nova joia do Paris Saint-Germain.

O novo camisa 10 já está se sentindo tão cômodo que já chegou a criticar os dirigentes de seu antigo clube, o Barcelona. Os inícios de temporada em ambos os clubes estão sendo bastante diferentes.

É certo que na chegada ao time catalão, quando ainda tinha 21 anos, o jogador ainda dava os primeiros passos na Europa. Agora, com 25, Neymar é mais maduro e conta com várias temporadas de experiência em um grande time como o Barça.

O craque estreou com o Barcelona em 2013, na cidade polonesa de Gdansk, em amistoso. O brasileiro saiu do banco e não balançou as redes. No jogo seguinte, entrou durante a partida e deu passe para um gol catalão.

O primeiro gol só veio na Supercopa da Espanha, contra o Atlético de Madri, também saindo do banco de reservas.

- Críticas ao ex-presidente -

No primeiro Clássico contra o Real Madrid, foi titular e decisivo: marcou um gol e deu assistência na vitória por 2 a 1 sobre o maior rival.

De Barcelona, Neymar leva lembranças da cidade e dos companheiros de time. Dos dirigentes, nem tanto, já que após a vitória de domingo sobre o Toulouse, o camisa 10 do PSG não poupou críticas.

"Não são pessoas que deveriam ocupar o cargo que ocupam, dirigindo o Barça", indicou Neymar.

A passagem pelo time catalão também foi afetada por um constante processo judicial, relacionado às supostas irregularidades na transferência que o tirou do Santos.

O caso, que provocou a demissão do ex-presidente Sando Rosell, hoje preso, continua aberto. Em maio, Neymar foi convocado a depor para a justiça espanhola junto ao seu pai, ambos acusados de corrupção.

No domingo, em seu primeiro jogo no Parque dos Príncipes, Neymar acelerou o jogo e foi o grande nome da equipe na goleada por 6 a 2 sobre o Toulouse.

O camisa 10 do time provocou um maremoto ofensivo, mesmo depois do time local estar com um jogador a menos em campo, após a expulsão do italiano Marco Verratti.

Além de ser protagonista direto de cinco dos seis gols, o atacante animou o resto dos companheiros, contagiados por sua alegria e voracidade.

- Dinamismo contagioso -

Neymar esperou o último minuto do jogo para tirar da cartola a jogada da noite. Em apenas poucos metros, driblou vários adversários e bateu de canhota, sem olhar para o goleiro, para marcar um golaço e deixar a torcida sem acreditar no que aconteceu.

"Ele acrescenta muito dinamismo nos últimos metros e por isso me permite realizar mais movimentos. Acho que vai fazer grandes coisas por nós", explicou o artilheiro uruguaio Edinson Cavani, que fez um gol em cobrança de pênalti, sofrido por Neymar.

Campeão olímpico em 2016, Neymar também é a estrela da seleção brasileira, camisa 10 e capitão da equipe.

Várias vezes foi apresentado como novo Pelé, por conta de ambos saírem das categorias de base do Santos. Em 2013, Neymar herdou a camisa 10 do time paulista e não sentiu o peso do manto vestido pelo "Rei do futebol".

O título que falta é a Copa do Mundo. Em 2014, disputado no Brasil, Neymar saiu da competição na quartas de final depois de se machucar em lance na partida contra a Colômbia.

O craque desfalcou o time no restante da competição, nas derrotas por 7 a 1 para a Alemanha, nas semifinais, e 3 a 0 para a Holanda na disputa pelo terceiro lugar.

O jogador balançou as redes 52 vezes em 77 jogos com a amarelinha. Como disse o espanhol Unai Emery, técnico do PSG, após a vitória de domingo, "é melhor tê-lo na minha equipe do que contra mim".