Neuer alerta que jogadores estão "no limite da carga de trabalho"

·2 minuto de leitura
O goleiro do Bayern de Munique, Manuel Neuer (dir.) cumprimenta o atacante do Borussia Dortmund, Marco Reus, antes da partida entre as duas equipes pela Bundesliga no estádio Signal Iduna Park em Dortmund, na Alemanha, no dia 7 de novembro de 2020
O goleiro do Bayern de Munique, Manuel Neuer (dir.) cumprimenta o atacante do Borussia Dortmund, Marco Reus, antes da partida entre as duas equipes pela Bundesliga no estádio Signal Iduna Park em Dortmund, na Alemanha, no dia 7 de novembro de 2020

Os jogadores de seleções que também participam de competições europeias com seus clubes "estão no limite de sua carga de trabalho", afirmou o capitão da seleção alemã Manuel Neuer, que contou com o apoio do seu treinador Joachim Low.

"Nunca tivemos uma temporada como esta e espero que não a tenhamos novamente", disse o goleiro do Bayern de Munique, de 34 anos, profissional desde 2006, em entrevista nesta terça-feira ao site Sportbuzzer.

Löw, questionado sobre a longa lista de lesões, criticou o ritmo alucinante do futebol após o confinamento.

"Devíamos ter previsto isso e só jogamos dois meses nesta temporada. Os problemas vão se agravar. Se os treinadores não forem razoáveis, teremos um enorme problema no próximo ano", disse ele.

"Espero que os responsáveis pelos calendários reflitam", acrescentou Löw, que não pode contar com uma dezena de jogadores importantes para a concentração atual e que vai escalar um time B na quarta-feira, no amistoso contra a República Tcheca.

"Alguns exercícios nos treino são simplesmente impossíveis neste momento. Depois dos jogos fazemos a recuperação, depois um pouco de tática e temos que jogar de novo", explicou Neuer, após emendar três jogos da Champions League em três semanas, algo inédito no anos anteriores.

"Não fazemos mais pequenos torneios, mini-jogos ou trabalho de duelos", acrescentou o goleiro sobre os atuais treinos.

A Alemanha joga no sábado na Liga das Nações contra a Ucrânia e na próxima terça-feira contra a Espanha.

Mas o goleiro do ano da Uefa também está tentando ver o lado positivo.

"Nós, jogadores de futebol, não podemos nos queixar, mesmo que estejamos no limite de nossa carga de trabalho. Ao contrário que tantos outros, temos o direito de jogar e estamos muito felizes. Basta olhar para o esporte amador ou a situação em outras disciplinas esportivas", acrescentou.

cpb/pm/aam