Nenhum jogador do penta e da seleção atual foi ao velório de Pelé

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O velório de Pelé, finalizado às 10h desta terça (3) e com forte presença de fãs e torcedores do Rei do futebol ao longo de 24 horas, ficou marcado por ausências: outros ídolos do esporte não foram à Vila Belmiro se despedir.

Craques como Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo e Cafu, não foram. Dos campeões mundiais em 1994 e 2002, apenas Mauro Silva, tetracampeão, esteve presente —ele é vice-presidente da FPF (Federação Paulista de Futebol).

Capitão do penta, Cafu justificou sua ausência em vídeo enviado ao canal SporTV. "Infelizmente por motivo de trabalho não consegui antecipar meu voo. Não vou estar com a família nesse momento tão importante aí no Brasil, mas de pensamento e de coração estamos abraçando eles", afirmou.

Marcos, goleiro do penta, publicou em redes sociais dizendo que Pelé "será eterno" e que, "para fazer uma oração, não preciso aparecer" . "Fui ao velório dos meus pais, os Reis dessa terra para mim, ninguém aqui das redes foi. [...] Não pedi homenagem de ninguém, não julguei ninguém, não dei entrevista, e para mim não foi um show. Até entendo vocês me cobrarem pelo que representa o Pelé, que será eterno, mas ao Edson hoje, só posso fazer uma oração e não preciso aparecer para isso", escreveu em primeira edição da publicação, que foi editada.

A assessoria de Ronaldo informou que ele está no Brasil e "infelizmente" não conseguiu ir ao velório, que durou mais de 24 horas em Santos. No dia da morte de Pelé, Ronaldo escreveu uma mensagem nas suas redes sociais. "Que privilégio vir depois de você, meu amigo. Seu talento é uma escola pela qual todo jogador deveria passar. Seu legado transcende gerações. E é assim que seguirá vivo. Hoje e sempre, celebraremos você", afirmou.

Neymar, camisa 10 da seleção brasileira na Copa do Qatar, foi representado pelo pai, que esteve na Vila Belmiro na segunda (2). Tite, ex-técnico da equipe, também não foi, além de nenhum outro atleta que esteve no último Mundial.

Melhor jogador do mundo em 2007, Kaká viralizou nas redes sociais no começo de dezembro do ano passado, quando afirmou que no Brasil "às vezes não reconhecemos nossos talentos". Criticado à época, ele não compareceu ao velório de Pelé e voltou a ser alvo de torcedores que recuperaram sua fala.

O ex-meio-campista e apresentador Neto foi ao estádio santista durante a madrugada e criticou a ausência dos campeões mundiais.

"Talvez as pessoas só vão nos lugares em que ganham cachê. Se eles foram campeões do mundo e não vieram para ver o Pelé, o que eu posso dizer para eles? No mínimo, é uma falta de respeito. Cada um entenda do jeito que quiser", criticou o ex-jogador.

Alguns jogadores, como Roque Júnior, por exemplo, não compareceram porque moram no exterior. O zagueiro pentacampeão reside em Portugal com a família.

Também marcaram presença Paulo Roberto Falcão, ex-jogador e atual coordenador de futebol do Santos Futebol Clube, Clodoaldo, tricampeão em 1970, e Zé Roberto, ex-jogador com passagem pelo Santos e atleta da seleção na Copa de 2006.

Entre o começo do velório, na segunda-feira (2) e o fim, às 10h de terça, passaram pela Vila Belmiro mais de 230 mil pessoas. Entre elas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, o governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos), o prefeito da capital Ricardo Nunes (MDB), e o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Julio Casares, presidente do São Paulo, Tarso Gouveia, vice-presidente do Palmeiras e Emilio Butragueño, vice-presidente do Real Madrid, também estiveram presentes, além de Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF, e Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol.

Gianni Infantino, presidente da Fifa, também esteve presente e propôs que todos os países filiados à entidade tenham um estádio com o nome de Pelé.