Nem João Paulo evita derrota do Santos para o Athletico na Copa do Brasil

·3 minuto de leitura
CURITIBA, PR, 25.08.2021 - ATHLETICO-PR X SANTOS-SP: Renato Kayzer do Athletico durante partida entre Athletico e Santos, valida pelo duelo de ida das quartas de finais da Copa do Brasil, realizada na Arena da Baixada, na cidade de Curitiba, nesta quarta (25). (Foto: Vinicius Do Prado/Agência F8/Folhapress) ORG XMIT: 31015
CURITIBA, PR, 25.08.2021 - ATHLETICO-PR X SANTOS-SP: Renato Kayzer do Athletico durante partida entre Athletico e Santos, valida pelo duelo de ida das quartas de finais da Copa do Brasil, realizada na Arena da Baixada, na cidade de Curitiba, nesta quarta (25). (Foto: Vinicius Do Prado/Agência F8/Folhapress) ORG XMIT: 31015

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na segunda metade da década de 1980, o torcedor santista se acostumou com a brincadeira de que quando o goleiro Rodolfo Rodríguez fechava o gol, o time perdia de pouco. No máximo, empatava. Duas décadas mais tarde, João Paulo encarna o papel do uruguaio.

Ele foi mais uma vez o destaque da equipe, segurou a barra da defesa, apareceu quando foi possível, mas o Santos foi derrotado pelo Athletico por 1 a 0 na noite desta quarta-feira (25), na partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

A partida de volta será no próximo dia 14, na Vila Belmiro. O Santos precisa vencer por dois gols de diferença para se classificar as semifinais. Triunfo pela vantagem mínima levará a decisão para os pênaltis. Não há desempate pelos gols marcados como visitante.

No primeiro tempo, João Paulo, que em jogos anteriores já havia sido o melhor do Santos, realizou três defesas difíceis, duas delas em sequência, logo aos 8 minutos. Só não conseguiu fazer nada com o erro de marcação na cobrança de escanteio do Atheltico, quando ninguém acompanhou Renato Kayzer na área. O atacante definiu o placar.

Especialmente no primeiro tempo, o Santos teve muita dificuldade para incomodar o adversário. Em parte por causa do posicionamento de Marcos Guilherme, muito recuado, mas também pelos constantes erros na saída de bola e pelo frágil sistema de marcação, o que se tornava também uma preocupação para o goleiro.

No segundo tempo, o Athletico continuou a achar espaços, mas pareceu ter cansado a partir dos 20 minutos. O Santos cresceu em campo, mas sem criar nenhuma grande oportunidade para empatar.

A classificação é vital para os paulistas. Não apenas pela disputa do título da Copa do Brasil, que é a melhor chance de o time conquistar um título neste ano. Há também a questão financeira.

A classificação para a semifinal renderia para o Santos cerca de R$ 7,5 milhões. Ser campeão acarretaria um prêmio global de R$ 56 milhões. A avaliação da diretoria é que a agremiação precisa de cerca de R$ 60 milhões para fechar as contas até o final de dezembro.

Quem olhar apenas a questão esportiva, vai perceber que a equipe alvinegra pode completar cinco anos sem um troféu de expressão, o maior jejum desde 2002, quando venceu o título brasileiro.

Antes da partida de volta, o Santos enfrenta o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro. O confronto será no próximo sábado (28), na Vila Belmiro. No mesmo dia, o Athletico visita o Palmeiras.

ATHLETICO-PR

Santos; Marcinho, Pedro Henrique, Thiago Heleno, Abner; Richard (Erick), Christian (Fernando Canesin), Nikão, David Terans (Vinicius M), Jader (Cittadini); Renato Kayzer (Pedro Rocha). T.: António Oliveira

SANTOS

João Paulo; Madson, Luiz Felipe (Robson Reis), Wagner Palha, Felipe Jonatan; Jean Mota (Raniel), Carlos Sánchez (Ângelo), Pirani (Ivonei), Marcos Guilherme; Lucas Braga, Marcos Leonardo. T.: Fernando Diniz

Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba.

Juiz: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Cartões amarelos: Richard (Athletico-PR); Wagner Leonardo (Santos)

Gol: Renato Kayzer (Athletico-PR)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos