Narrador que usou termo racista contra jogadoras do Bahia pede desculpas

LANCE!
·2 minuto de leitura

O narrador acusado de proferir comentários racistas sobre o cabelo de zagueiras do Bahia, na transmissão do confronto de ontem entre Napoli-SC e Bahia, pelo Campeonato Brasileiro Feminino, pediu desculpas publicamente. Paulo César Ferrarin é locutor da plataforma MyCuujo e disse que ficou triste pela situação, uma vez que é negro e reconhece a dor.

- Primeiramente, eu gostaria de pedir desculpas a todos, mesmo sabendo que as palavras proferidas não voltam. Mas podem me dar mais sensibilidade para evoluir como profissional e ser humano. Entendo que houve uma falta justamente disso - disse em entrevista ao UOL.

Leia também:

- Em que pese eu jamais tenha proferido uma palavra ou gesto depreciativo antes, me vi no centro de uma discussão e isso me deixou chocado justamente por ser tudo o que sempre lutei contra. Sei da responsabilidade que tenho por ser afrodescendente, um dos poucos em atividade em Santa Catarina e já por ter várias vezes sofrido no Brasil e fora do país - concluiu.

No episódio, o jornalista Edson Florão, também inserido na transmissão, destacou os "cabelos exóticos" das atletas do Bahia e as comparou com a cantora Margareth Menezes. Em seguida, o narrador Paulo Ferrarin minimizou o comentário do colega afirmando que tudo era "mimimi" após o questionamento de um telespectador.

Diante do cenário, a CBF e a plataforma MyCujoo lamentaram o posicionamento dos jornalistas e ambos foram afastados.

- Acaba tendo que rifar a bola, facilitando especialmente o sistema defensivo da equipe do Bahia, que está aí com a sua vantagem de estatura, com esses cabelos exóticos, pelo menos uma meia dúzia. A Aline tem o cabelo mais exótico me parece dessa equipe do Bahia - disse Florão.

As atletas em questão são negras.

- Verdade. Eu estava até brincando com esses cabelos, parecia a Margareth Menezes. (...) Grande abraço aqui para o Paulo (o espectador que reclamou). Oh, Paulo, que isso. A gente falou inclusive, estamos aqui com o pessoal do Bahia, das aparências. Se o Paulo achar que é um comentário xenofóbico comparar as artistas, que são maravilhosas, que a gente falou da Margareth Menezes, poderíamos citar alguém... a Daniela Mercury, outros tantos - completou Ferrarin.

- Paulão, você está fora da realidade. Elogiar os artistas da Bahia para você.... Realmente é muito mimimi, meu amigo. A gente está elogiando - concluiu o narrador durante a transmissão.

Nas redes sociais, o Bahia e a cantora Margareth se posicionaram contra os comentários.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.