Nada de grana: Pato revela motivo que o fez jogar na China

A passagem de Alexandre Pato pelo futebol espanhol durou apenas seis meses. Com pouco tempo de Villarreal, o atacante decidiu aceitar uma astronômica proposta do Tianjin Quanjian, onde assinou vínculo de três anos.

Nesta quinta-feira, em entrevista ao jornal espanhol "Marca", Pato revelou o principal fator que o fez aceitar a China, rejeitada por ele quando ainda pertencia ao Corinthians, no último ano.

- Eu poderia ter vindo há um ano, na Segunda Divisão, quando Vanderlei Luxemburgo chegou no começo da temporada passada. Eu estive falando com Fabio durante muito tempo. Ele me perguntou se eu teria vontade de jogar no futebol chinês, eu respondi que deveria pensar. E assim falamos durante alguns meses. Se não fosse por Fabio, eu não estaria aqui. Estava bem no Villarreal, poderia ter ficado, mas Fabio foi quem me fez mudar de ideia para vir para cá. A culpa de eu estar aqui é quase toda dele - disse o atacante.

Aos 27 anos, Alexandre Pato é treinado por Cannavaro na equipe asiática, na qual já atuou oficialmente em duas partidas. Na conversa com o diário, o brasileiro foi evasivo, porém mostrou que ainda aspira a Seleção.

- Tite tem uma grande comissão técnica, que vem ver ao vivo os jogos do Campeonato Chinês. Se alguém estiver jogando bem, irá à Seleção. Tite sempre disse que todos os que estejam bem terão a oportunidade de jogar na Seleção. Depende do jogador. É normal que eu pense em voltar. Para isso, tenho que ir muito bem no Tianjian Quanjian. Esse é meu objetivo para poder jogar a Copa de 2018 na Rússia - afirmou.

Confira outros trechos da entrevista:

DIEGO COSTA NO TIANJIAN?

Eu fui companheiro de Diego Costa no Chelsea, é um bom companheiro, poderia nos ajudar muito. Mas nós não sabemos nada. O que penso é que no verão (meio do ano) vamos contratar um jogador importante, de alto nível. Me limito a jogar, quem se ocupa dessas coisas é Fabio Cannavaro junto ao presidente. Sou sincero. Só sei que agora os jogadores estrangeiros que temos no time são eu, Witsel, Geuvanio, Junior Moraes e Kwon Kyun-Won. Estes são os que podem jogar agora.

PASSAGEM PELO VILLARREAL

Nos seis meses em que estive, coloquei todo o meu coração no time. Queria jogar sempre, marcar, passar. Espero o melhor para o Villarreal no futuro. Todos ali amam o Villarreal. As pessoas são muito apaixonadas pelos jogadores e pelo time. O clube tem uma grande estrutura, o presidente Fernando Roig e seu filho são pessoas muito competentes, muito boas. Conheci os dois e são pessoas magníficas, têm tudo organizado. Por isso, Villarreal é o que é. Me trataram muito bem, todo o tempo, mesmo quando decidi saí.

















E MAIS: