Nacional-URU aciona FIFA contra o Palmeiras por cláusula no contrato de Viña – entenda

Antonio Mota
·2 minuto de leitura

O Nacional do Uruguai acionou a FIFA contra o Palmeiras para contestar o pagamento de mais 7,5% dos direitos econômicos do lateral Matías Viña. Segundo o ge, a operação é referente a uma cláusula do primeiro acordo entre uruguaios e brasileiros, a qual previa que o Verdão adquirisse essa fatia dos direitos do atleta caso ele participasse de 33 jogos do clube.

Conforme o site, o Alviverde avisou o Nacional antecipadamente sobre o cumprimento do objetivo contratual e depois ainda confirmou que faria o pagamento da cláusula. Porém, preocupado com o fluxo de caixa mais fraco por conta da pandemia do novo coronavírus, o Palmeiras pediu o parcelamento do valor, assim como aconteceu anteriormente.

Palmeiras não corre o risco de ser proibido de registrar novos jogadores por conta de imbróglio Viña. | JUAN IGNACIO RONCORONI/Getty Images
Palmeiras não corre o risco de ser proibido de registrar novos jogadores por conta de imbróglio Viña. | JUAN IGNACIO RONCORONI/Getty Images

Por sua vez, o Nacional procurou a FIFA primeiro e depois ofereceu um parcelamento da quantia ao Palmeiras. Já com a ação na entidade máxima do futebol, o Alviverde tem tempo para esperar o processo até o desfecho da situação. Cabe notar que, neste período, não há nenhuma chance de o clube ser impedido de inscrever novos jogadores.

Questionado pelo ge, André Sica, advogado do Palmeiras, comentou sobre a atitude do Nacional e alegou que tudo poderia ter sido resolvido entre os clubes. Internamente, há ainda o entendimento de que o Verdão poderia, caso não quisesse pagar a multa, diminuir a utilização do lateral-esquerdo, o que não aconteceu.

“A gente entende completamente o desespero do Nacional pelo pagamento, mas a gente entenderia muito melhor se eles tivessem entrado em contato e conversado com o Anderson (Barros), explicando a situação de extrema necessidade. O Nacional talvez tenha esquecido que o Palmeiras tem uma gestão profissional, sabemos onde estamos pisando. Como a escolha foi por usar a Fifa como meio de coerção de forma despreparada, o Nacional terá de esperar e entrar na fila de processos agora”, declarou.

“Sobre a alegação de perder registros, a chance é zero. Isto nunca aconteceu no Palmeiras e não vai acontecer tão cedo”, finalizou Sica.

Nacional versus Palmeiras

Em 2020, o Nacional do Uruguai reclamou o não recebimento de parte do valor da transferência de Matías Viña para o Palmeiras. À época, uruguaios e brasileiros entraram em acordo e combinaram o pagamento de uma das parcelas de 1,5 milhão de euros – parte do total dos 3,5 milhões de euros, parcelado em três vezes, da negociação.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.