Com 10 homens desde o 1º tempo, Palmeiras inicia Libertadores com empate

Tucumán (Argentina), 8 mar (EFE).- Mesmo sem demonstrar o bom futebol de quem carrega o status de vencedor do último Campeonato Brasileiro, mas com bastante disposição para jogar com um a menos por cerca de 70 minutos, o Palmeiras estreou na Taça Libertadores com um empate com o Atlético Tucumán em 1 a 1 fora de casa nesta quarta-feira.

No estádio Monumental José Fierro, em Tucumán,Vitor Hugo foi expulso aos 21 minutos do primeiro tempo, e, para piorar, logo em seguida Zampedri marcou um gol para o time da casa. Mesmo em inferioridade numérica, o Alviverde teve forças para empatar ainda antes do intervalo, com Keno.

O empate deixou Palmeiras e Tucumán atrás do Jorge Wilsterman, que na terça-feira abriu o grupo 5 da competição continental goleando o Peñarol por 6 a 2 em Cochabamba. O time uruguaio, aliás, será o próximo adversário da equipe de Eduardo Baptista, em jogo marcado para a próxima quarta no Allianz Parque. O representante argentino, por sua vez, receberá os bolivianos

A 17ª participação do Verdão na Libertadores começou com três desfalques. O zagueiro Mina cumpriu suspensão por ter sido expulso na final de 2015, quando defendia o Independiente Santa Fé. O também defensor Thiago Martins sofreu uma lesão no joelho esquerdo em jogo-treino e ficará até seis meses afastado dos gramados. Já o volante Tchê Tchê, que se recupera de uma lesão desde fevereiro, não ficou apto a tempo.

Já o Atlético Tucumán, que participa da competição pela primeira vez, chega à fase de grupos depois de superar heroicamente o El Nacional e o Júnior Barranquilla nas preliminares. No Equador, a equipe esteve a minutos de ser derrotada por W.O. por problemas de logística e por pouco não foi eliminada.

A partida começou estudada, com trocas de passe lentas e pouca objetividade. O primeiro chute aconteceu apenas aos 13 minutos, em falta cometida por Acosta, que levou um lençol e pôs a mão na bola. Na cobrança ensaiada, Michel Bastos rolou e Jean acertou a barreira.

A situação do Alviverde na partida ficou difícil com a expulsão de Vitor Hugo, que cometeu duas faltas em um pequeno intervalo, ambas sobre Zampedri. Aos 18 minutos, parou contra-ataque; aos 21, entrou de maneira ríspida e viu o vermelho.

Não demorou para que o Tucumán fizesse vale a vantagem numérica. Aos 24, Evangelista fez o chuveirinho da esquerda e Zampedri superou Edu Dracena pelo alto e, no cabeceio, fez 1 a 0.

Mesmo com um a menos, o atual campeão brasileiro buscava formas para levar perigo, como conseguiu aos 32 minutos. Borja foi acionado no meio e, de frente para o goleiro Lucchetti, parou na grande defesa do camisa 1, que afastou em escanteio.

Os 'Decanos' atacavam mais, mas o Palmeiras foi mais eficiente e empatou aos 39. Dudu cobrou falta da intermediária, Thiago Santos escorou de cabeça da direita para a esquerda e Keno completou para a rede.

A virada por pouco não aconteceu aos 44 minutos, em cabeceio de Borja que parou em linda defesa de Lucchetti. Mas o Tucumán também teve sua chance ainda antes do intervalo, aos 46, quando Menéndez, também de cabeça, mandou perigosamente à esquerda da meta.

O perder ganha continuou no reinício da partida. Aos oito minutos do segundo tempo, Zampedri foi acionado na frente, mas se enrolou e demonstrou que é melhor dentro da área, preferencialmente pelo alto. Três minutos depois, quem tentou foi Dudu, mas Canuto veio com tudo e cortou.

A pontaria comprometia as duas equipes, e os goleiros não trabalhavam muito. Aos 21, Menéndez levantou, Zé Roberto afastou parcialmente e, na sobra, Aliendro isolou. Em seguida, aos 24, Acosta cruzou por baixo, Zampedri trombou com Dracena e pediu pênalti, mas o árbitro ignorou e deixou seguir.

Além de estar com dez, faltava inspiração ao campeão brasileiro, e Róger Guedes, que entrara na vaga de Keno, tentou ser esse sopro de criatividade. Aos 32, ele driblou e abriu com Jean, que cruzou mal. Lucchetti pegou em dois tempos, com direito a gracinha.

O Palmeiras segurava o jogo, e Prass inclusive levou cartão amarelo por retardar a reposição no tiro de meta. O Tucumán, porém, não chegou a sufocar. Aos 42, em disputa com Thiago Santos, Méndez também reclamou de penalidade, mas novamente a arbitragem ignorou. Nos acréscimos, aos 48, Rodríguez aproveitou o chuveirinho e cabeceou assustando, mas os visitantes se salvaram.


Ficha técnica:.

Atlético Tucumán: Lucchetti; Di Plácido, Bianchi, Canuto e Evangelista; Acosta (Méndez), Leyes, Aliendro (Rodríguez) e González (Mendoza); Menéndez e Zampedri. Técnico: Pablo Lavallén.

Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Zé Roberto; Felipe Melo, Thiago Santos e Michel Bastos (Antonio Carlos); Keno (Róger Guedes), Dudu e Borja (Willian). Técnico: Eduardo Baptista.

Árbitro: Mario Díaz de Vivar (Paraguai), auxiliado pelos compatriotas Eduardo Cardozo e Milciades Saldivar.

Cartões amarelos: Bianchi e Di Plácido (Atlético Tucumán); Vitor Hugo, Thiago Santos e Fernando Prass (Palmeiras).

Cartão vermelho: Vitor Hugo (Palmeiras).

Gols: Zampedri (Atlético Tucumán); Keno (Palmeiras).

Estádio: Monumental José Fierro, em Tucumán. EFE