Na Rússia: Rostov é obrigado a jogar com time sub-17 e leva de 10 a 1


Um fato inusitado ocorreu com o FC Rostov no Campeonato Russo. O time que ocupa a quarta posição poderia, nesta rodada a décima-terceira e a primeira da volta do campeonato após a interrupção da Covid 19 (três meses), assumir a vice-liderança. Para isso, tinha de vencer um rival bem mais modesto e beliscando a zona de degola, o Sóchi, na casa do rival. Na teoria, a vitória era provável. Porém uma série de situações levou o time, que é um dos melhores do país, a ser goleado por incríveis.... 10 a 1.


Os problemas do Rostov começaram quando exames realizados na quarta-feira, revelaram que seis jogadores da equipe deram positivo para a Covid-19. Pelo protocolo de segurança da federação russa, todo elenco teve de ficar confinado. Isso também afetou o time de juniores. O Rostov tentou adiar a partida, mas o Sóchi, em situação delicada na tabela, em décimo-segundo lugar, disse que o jogo teria de acontecer de qualquer jeito. Os organizadores da Liga Russa alegaram que, como o clube contava com uma equipe sub-17, esta poderia ser escalada e, assim, indeferiu o pedido do Rostov.

O Rostov, como última tentativa, divulgou uma carta pública (assinada por uma centena de atletas, patrocinadores e representantes) para direção, comissão e atletas pedindo que por solidariedade, o jogo fosse adiado pois "há valores mais importantes em jogo e que temos de defender os valores que o esporte nos ensina, que trata-se de uma luta digna, com uma competição honesta e respeito aos adversários".

O Sóchi não se solidarizou e mandou a sua nota: "A Premier League Russa autoriza a inscrição de jogadores de equipes juvenis e o jogo deve ocorrer. Caso contrário, as regras da competição serão violadas e o clube rival poderá ser sancionado.

Teve jogo

Ciente de que a regra é esdrúxula, mas válida, restou ao Rostov ir a campo com garotos. Sentindo que uma goleada acachapante estava por acontecer e que poderia afetar psicologicamente os meninos, o presidente do Rostov, Artashes Arutyunyants, em entrevista antes do jogo, comentou.

- Quem tem 16 anos é quase criança. E não será um jogador jovem, será o time inteiro. Já conversamos com todos e os apoiamos. Sabemos o que vai acontecer e depois da partida, diremos mais algumas palavras de apoio - disse Artashes, lembrando que até o treinador não era o principal, mas do time sub-20 Zaur Tedeyev.


Curiosamente, o Rostov saiu na frente, com um gol de Romanov antes do primeiro minuto. Mas antes do fim do primeiro tempo já perdia por 4 a 1 (e poderia ser cinco, o Sóchi perdeu um pênalti). Na etapa final, o time levou outros seis gols. Kokorin (3), Zabolotnyi(2), Poloz (2), Mostovoi, Novoseltsev e Koldinov marcaram. E quem saiu de campo com herói foi o goleiro Denis Popov, de 17 anos. Ele levou dez gols, mas fez 15 boas defesas, cinco delas milagrosas, e ainda defendeu um pênalti, evitando que seu time levasse uma goleada ainda mais humilhante. Para se ter ideia, o Sóchi deu 41 finalizaçoes enquanto o Rostov somou duas.

No fim...

Assim que acabou a partida, o presidente Artashes deu uma força a seus jogadores.

- Fiz questão de aplaudir os esforços dos garotos. Eles tiveram hombridade e serão campeões no futuro.


O treinador Zaur Tedeyev lamentou a liga autorizar uma luta de um peso pesado contra um peso palha:

- É quase impossível falar de pontos positivos, o único é que os jogadores fizeram sua estréia na liga, e nosso sonho de ter uma equipe inteira de jogadores prata-da-casa foi realizado", disse Tedeyev, que analisou o jogo:

- O Sóchi foi superior. Todos os gols que sofremos foram devidos ao fato de que eles nos dominaram. Tínhamos meninos muito jovens e, no segundo tempo, só tínhamos um jogador em campo com mais de 18 anos.





























Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também