Números explicam consolidação de Jonathan na lateral direita do Botafogo

LANCE!
·3 minuto de leitura


Uma das posições mais carentes do Botafogo em 2020 foi a lateral direita. Jogadores como Barrandeguy, Marcinho, Fernando e Kevin foram utilizados, mas nenhum trouxe agradou a torcida e trouxe segurança ao setor. Para 2021, o Alvinegro trouxe Jonathan, do Coritiba. Ele foi anunciado no dia 4 de março e, apenas três dias depois, estreou como titular do Glorioso - desde então, ele não perdeu mais a vaga.

> Botafogo informa lesão significativa no tendão adutor direito de Kayque

- Não posso falar do passado e do que ocorreu, mas posso falar do que pode acontecer daqui pra frente. Sou um cara que trabalha bastante e que se dedica bastante. Vim para ajudar, vim para somar e, com toda a vontade e toda a disposição, pretendo sim fazer o meu melhor respeitando a todos, claramente, para que o Botafogo faça um ano muito positivo, um ano de muitas conquistas para que o Clube volte à primeira divisão, que é o lugar do Glorioso - afirmou o camisa 13 na entrevista coletiva de apresentação.

Dessa forma, dos 12 jogos feitos pelo Botafogo na temporada até aqui (nove no Carioca e dois na Copa do Brasil), Jonathan foi titular em 11. A carência por um jogador na posição pode ser um dos fatores que justifique a titularidade do atleta, mas não é o único motivo. Até aqui, o novo lateral-direito apresenta números que explicam o porquê da vaga cativa na posição.

Jonathan é o líder do Botafogo em desarmes no Campeonato Carioca. Até aqui, ele conseguiu 18, em nove partidas disputadas. Sobre as interceptações, ele é o terceiro do Alvinegro, ficando atrás apenas de José Welison e Kanu. Em relação aos passes certos, ele é o segundo da equipe, com um aproveitamento de 90,8% - no total são 374 passes certos, contra 48 errados.

> Boletim Médico: Pedro Castro está recuperado entregue à preparação física

Outro número que também chama a atenção, mas com ponderações, é o da finalização. Apesar de ser um lateral, ele é o sexto jogador do time com mais conclusões na direção do gol adversário. O número não é alto (2), mas comparando com o restante do elenco, ele fica atrás apenas de Matheus Babi (8), que não está mais no Botafogo, Felipe Ferreira (4), Rafael Navarro (4), Ênio (3) e Marco Antônio (3).

Outro fator que pesa a favor do camisa 13 do Botafogo é a polivalência. Além de ambidestro, Jonathan começou a carreira atuando pelo meio-campo. Ainda na entrevista coletiva de apresentação, ele falou sobre a transição para a lateral direita e também destacou a importância de usar das qualidades que tem para ajudar o Alvinegro na conquista dos objetivos para a temporada.

- Sou um cara que procura ajudar o clube de todas as maneiras, procuro trabalhar honestamente, sou intenso sempre, independente se estiver jogando ou no banco, independente se eu estiver na lateral direita ou na lateral esquerda, sempre vou procurar ajudar o clube. Eu não penso só em mim, penso primeiramente no conjunto, penso no clube. Graças a Deus a gente procura trabalhar no dia a dia para quando precisar de uma outra posição, temos que estar aptos para ajudar o Botafogo.

- No começo é um pouco difícil você se adaptar de uma função à outra. Ainda na categoria de base, eu era meia. Para você mudar para uma função tem que amadurecer bastante, é com trabalho e com dedicação, aprimorando cada detalhe da função. Hoje, já me sinto, teoricamente, um cara mais formado ali na lateral e acho que estou apto sim a jogar ali como também na outra função. Em 2017, estreei no profissional do Brasiliense como lateral-esquerdo, joguei umas quatro, cinco partidas e foi tudo pela lateral esquerda.

Em tempo: O Botafogo volta a campo no próximo domingo, contra o Macaé, às 18h, no estádio Nilton Santos. A partida, que terá transmissão em tempo real do LANCE!, é válida pela última rodada do Campeonato Carioca.

*Estatísticas retiradas do site Footsats