Número de gols contra na Euro 2020 atinge marca histórica - relembre os lances

·2 minuto de leitura

A Eurocopa 2020 não para de nos surpreender. Depois da queda de favoritos e classificações emocionantes, o torneio de seleções do Velho Continente quebrou mais um recorde, e não estamos falando sobre os feitos de Cristiano Ronaldo. Trata-se do espantoso número de gols contras. Com o tento marcado por Pedri, na disputa entre Croácia e Espanha, as estatísticas mostraram que, somente nesta edição da competição, foram anotados nove gols contra.

Os números, que já são altos por si só, ganham contornos ainda mais impressionantes quando lembramos que, somando todas as edições do torneio até aqui (1960 até 2016), foram marcados a mesma quantidade de tentos desse tipo. As informações são do jornalista Rob Harris. Abaixo, relembramos cada um dos nove jogadores que foram às redes... ao contrário.

Dúbravka mandou para dentro do próprio gol. | JOSE MANUEL VIDAL/Getty Images
Dúbravka mandou para dentro do próprio gol. | JOSE MANUEL VIDAL/Getty Images
  • Merih Demiral (Turquia x Itália) - abertura da Euro;

  • Wojciech Szczęsny (Polônia x Eslováquia) - a bola desviou no goleiro polonês antes de entrar;

  • Mats Hummels (Alemanha x França) - o zagueiro tentou cortar a bola, mas acabou mandando para dentro da meta de Neuer;

  • Rúben Dias (Portugal x Alemanha) - Havertz fatalmente anotaria, porém o zagueiro português acabou desviando por último.

  • Raphael Guerreiro (Portugal x Alemanha) - o lateral não conseguiu cortar com precisão;

  • Lukáš Hrádecký (Finlândia x Bélgica) - a bola desviou no arqueiro antes de entrar;

  • Juraj Kucka (Eslováquia x Espanha) - o volante cortou para dentro do seu próprio gol;

  • Martin Dúbravka (Eslováquia x Espanha) - o goleiro protagonizou um dos lances mais bizarros da Euro, onde desviou a bola e acabou anotando um gol favorável aos adversários;

  • Pedri (Croácia x Espanha) - o jovem tocou para Unai Simón, que não dominou e sofreu um gol.

O último dos lances acabou indo parar na conta do jovem Pedri. Contudo, a falha monumental foi do arqueiro Unai Simón, que estava sozinho na grande área. Ele até tentou fazer o domínio, mas não calculou direito e viu a bola morrer na rede. Apesar da falha crucial, a Espanha se classificou às quartas depois de fazer 5 a 3 na Croácia.

Simón não conseguiu dominar a bola recuada de Pedri. | Wolfgang Rattay - Pool/Getty Images
Simón não conseguiu dominar a bola recuada de Pedri. | Wolfgang Rattay - Pool/Getty Images
Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos