Não vou a lugar nenhum, mesmo que Alemanha seja eliminada, diz técnico

Técnico da seleção da Alemanha, Hansi Flick, durante entrevista coletiva em Doha

Por Karolos Grohmann

AL RAYYAN, Catar (Reuters) - O técnico da seleção da Alemanha, Hansi Flick, não tem planos de deixar o cargo se os tetracampeões mundiais forem eliminados da Copa do Mundo na primeira fase pela segunda vez seguida, garantiu ele nesta quarta-feira.

Flick, que assumiu no ano passado depois dos 15 anos de Joachim Loew no comando, viu sua equipe perder sua partida de estreia no Grupo E para o Japão antes de conseguir um empate em 1 x 1 com a Espanha graças a um gol no fim.

Os alemães foram eliminados na primeira fase da Copa do Mundo de 2018, na época sua eliminação mais precoce em mais de 80 anos.

"Posso confirmar (ficarei no cargo), tenho um contrato até 2024 e estou ansioso pela Euro de casa (em 2024), mas é muito tempo até lá", disse ele em uma coletiva de imprensa. A Alemanha sediará a Euro 2024.

Os alemães estão com as costas para a parede na partida pela ultima rodada da primeira fase contra a Costa Rica na quinta-feira, precisando de uma vitória para ter qualquer chance de avançar para as oitavas de final.

A vitória sobre a Costa Rica, que perdeu por 7 x 0 na estreia contra a Espanha, juntamente com uma vitória da Espanha contra o Japão, os levaria adiante junto com os espanhóis.

Um empate entre Espanha e Japão no outro jogo, no entanto, ou mesmo uma vitória para os asiáticos, levaria a decisão ao saldo de gols.

"Queremos matar o jogo rapidamente, de modo a colocar a pressão sobre o outro jogo do grupo", disse ele. "Eles (Costa Rica) serão muito provavelmente defensivos. Precisamos fazer isso e temos que ter a atitude que mostramos contra a Espanha."

A Costa Rica teve apenas um chute certo no gol em suas duas partidas até agora, mas foi o suficiente para marcar o gol da vitória contra o Japão.

"Quando você olha para a tabela, a Costa Rica tem uma chance de chegar às oitavas de final. Um empate, e uma vitória da Espanha, é suficiente para que eles avancem", disse Flick. "Eu espero da Costa Rica uma atuação defensiva como eles fizeram contra o Japão."

"Temos que encontrar soluções contra isso", afirmou.

Dependendo do resultado do outro jogo, a classificação pode ser decidida pelo saldo de gols, com a grande vitória da Espanha sobre os centro-americanos dando-lhes a vantagem.

Fazer mais gols na Costa Rica do que fez a Espanha não é uma opção para Flick.

"Acho que seria uma falta de respeito com a Costa Rica falar em marcar oito gols", disse ele.

"Ficaremos felizes se ganharmos e esse é o nosso objetivo. Queremos tentar decidir por nós desde o início. Mas voltar daquele 7 x 0 e ter uma performance defensiva como a que tivera contra o Japão merece respeito", disse.

Quanto à pressão, Flick não a sente, apesar da reputação da Alemanha no torneio estar em jogo.

"Temos a classificação não totalmente em nossas próprias mãos", disse ele. "Mas o que é pressão? Eu não sinto nenhuma pressão. Também não depois do jogo contra o Japão. Estou convencido de que estamos em um bom caminho."