Murray destaca amor ao esporte após virada histórica no Australian Open: 'Tenho um coração enorme'

Aos 35 anos, Murray segue dando sinais que se mantém entre os melhores do tênis (Foto: Tennis Australia)


Há quatro anos, Andy Murray anunciava a aposentadoria do tênis no Australian Open. A ideia era deixar a raquete de lado para fazer uma cirurgia no quadril, onde colocaria uma prótese de metal. Nesta quinta, o britânico jogou e venceu a partida mais longa de sua carreira. Após 5h45, o ex-número 1 do mundo derrotou Thanasi Kokkinakis em uma emocionante batalha, virando uma partida em que perdia por 2 sets a 0 - ele também se tornou o recordista neste quesito no esporte.

Após o triunfo, que terminou às 4h06 da madrugada no horário local e se tornou o segundo mais longo do torneio, Murray concedeu entrevista em quadra e destacou seu amor ao esporte.

- Sempre amei competir, sempre deixei meu coração, mostrei minhas emoções quando joguei. Fui criticado muito ao longo dos anos, mas é assim que sou - desabafou.

+ PVC deixa Globo: veja as movimentações da imprensa esportiva em 2023


Murray também reconheceu a qualidade do adversário e valorizou seu espírito de insistência na partida.

- Não sei (como conseguiu o resultado). Foi incrível ter conseguido virar. Thanasi estava jogando muito bem, sacando e com forehand pesados, não sei como consegui vencer. Comecei a jogar melhor ao longo da partida . Tenho um coração enorme - disse, brincando na sequência com o repórter que afirmou que o britânico tem 'tudo grande':

- Não sei se minha esposa vai concordar - disse, aos risos.

O próximo desafio de Murray no Australian Open será o espanhol Roberto Bautista, nesta sexta-feira, com horário ainda a definir.