Mundo árabe comemora chegada do Marrocos às quartas da Copa do Mundo

Torcedores do Marrocos comemoram vitória sobre a Espanha em Bilbao, na Espanha

Por Andrew Mills e Ahmed Eljechtimi

DOHA/RABAT (Reuters) - Os marroquinos que comemoraram a histórica vitória de sua seleção na Copa do Mundo sobre a Espanha nesta terça-feira juntaram-se a pessoas do Oriente Médio, do norte da África e de cidades europeias em êxtase com o que viram, como uma vitória para todo o mundo árabe.

De Bagdá a Casablanca, além de Paris e cidades até mesmo na Espanha, torcedores comemoraram quando o Marrocos se tornou o primeiro país de língua árabe a chegar às quartas de final da Copa do Mundo no Catar, a primeira disputada em um país árabe. A seleção marroquina venceu a Espanha por 3 x 0 nos pênaltis após um empate em 0 x 0 na prorrogação.

Em Rabat, onde os torcedores lotaram os cafés por horas antes para assistir ao jogo, as pessoas lotaram as ruas do centro que levavam a uma praça onde os torcedores festejaram após as vitórias anteriores do Marrocos, com bandeiras tremulando em suas janelas e buzinas soando furiosamente.

"É a primeira vez que tenho essa sensação!", disse Fahd Belbachir, a caminho do centro da cidade. "Estamos tão orgulhosos."

Líderes de todo o mundo árabe elogiaram o time marroquino.

"Parabéns aos Leões do Atlas, vocês nos encantaram. Uau, Marrocos, vocês conseguiram de novo!", escreveu a rainha Rania, da Jordânia, no Twitter.

Em Rabat, Brahim Ait Belkhit disse que o clima espontâneo de alegria era tão grande que ele resolveu uma rixa com alguém que evitava há anos e depois viu na rua. "Isso nos fez esquecer nossa velha briga", disse.

Os aplausos também aumentaram no Cairo, Beirute, Túnis, Amã e Ramallah, enquanto os árabes se alegravam com a vitória inesperada sobre a Espanha, até então considerada uma das favoritas no torneio.

O resultado fez reverberar o sentimento de orgulho pan-árabe, que veio à tona durante várias atuações memoráveis de times árabes na Copa do Mundo do Catar -- um contraste com as disputas políticas que há muito dividem os países árabes.

Do lado de fora do estádio em Doha, onde os torcedores marroquinos pareciam superar em muito os espanhóis com mais de 44.000 pessoas presentes, as mulheres levantaram suas vozes em uivos e os homens bateram tambores em uma festa dançante espontânea.

Centenas de torcedores marroquinos voaram para o Catar para o jogo, juntando-se ao grande número de marroquinos residentes, e algumas brigas foram registradas, já que muitas pessoas sem ingressos não puderam entrar no estádio.

"Cresci vendo os grandes times espanhóis, Barcelona e Madrid. Portanto, vencer um país enorme como a Espanha é uma grande vitória para o Marrocos", disse o marroquino Taha Lahrougui, de 23 anos, que mora em Doha.

A vitória sobre a Espanha, que governou áreas do Marrocos na era colonial e onde muitos marroquinos agora vivem, pode ter sido especialmente doce.

Os torcedores lotaram o bairro de Raval, em Barcelona, agitando bandeiras marroquinas, torcendo e acendendo sinalizadores. O cobrador de pênaltis vencedor, Achraf Hakimi, é nascido em Madri.

Ahmed Inoubli, meio tunisiano, meio argelino, morador de Doha e casado com uma marroquina disse que "nada é impossível" na Copa do Mundo.

"Temos um time árabe. Olhe para esses torcedores. Você acha que eles são todos marroquinos? Não, são apenas árabes", disse ele apontando para a enorme e alegre multidão.

(Reportagem de Ahmed Eljechtimi em Rabat, Andrew Mills em Doha, Laila Bassam e Timor Azhari em Beirute, Ali Sawafta em Ramallah, Nayera Abdallah e Alaa Swilam no Cairo, Ghaida Ghantous em Dubai, Tarek Amara em Tunis e Horaci Garcia em Barcelona, Suleimam al-Khalidi em Amã, Osama Khairy no Cairo)