Muito mais do que um simples título estadual

·3 minuto de leitura

#VozDoTorcedor

Para quem diz que é exagero o alarde a respeito do título paulista do São Paulo no domingo, certamente não reparou em 3 coisas: os torcedores em volta do Cícero Pompeu de Toledo, o semblante dos jogadores e comissão técnica e o choro de Muricy Ramalho.

Ouvi muitos comentários e até brincadeiras quando a diretoria e jogadores se referiram a final do ‘paulistinha’ como final de Copa do Mundo. Mas realmente foi. Quem estava no Morumbi, como eu, conseguiu perceber isso sem muito esforço.

Crespo foi muito celebrado após o apito final. | Alexandre Schneider/Getty Images
Crespo foi muito celebrado após o apito final. | Alexandre Schneider/Getty Images

Está longe de ser apenas uma conquista estadual para o SPFC. É o fim de um jejum de 9 anos, fim da fila, um peso inimaginável tirado das costas de cada são-paulino. O time ganha confiança, a diretoria, moral para trabalhar, e a torcida um sentimento de alívio que não sentia há muito tempo.

A frase de Crespo (que agora está gravada no vestiário do Morumbi e na cabeça de todo torcedor) representa essa conquista: Donde no llegan las piernas, va a llegar el corazón. Não faltou alma, venceu o time que estava focado e valorizou o campeonato desde o início.

A fome da comissão técnica casou com a fome do torcedor. O clima no Morumbi era o melhor possível, desde cedo a torcida estava a postos do lado de fora com sinalizadores, bandeirões e até caixões de papelão ‘enterrando’ o Palmeiras. A confiança era enorme. O jogo começou e o silêncio desconfortante de jogos sem torcida nem foi sentido, pois o barulho, energia e fumaça de fora do estádio invadiram o gramado.

Tricolores foram para os arredores do Morumbi para incentivar o time antes da final com o Palmeiras. | Gabriela Martins
Tricolores foram para os arredores do Morumbi para incentivar o time antes da final com o Palmeiras. | Gabriela Martins

Assisti ao jogo na arquibancada, do meu lado direito, a delegação do Palmeiras com Edu Dracena e companhia e no lado esquerdo, a do SPFC com Vitor Bueno e Benítez por ali, e claro, o maior são paulino da atualidade: Muricy Ramalho.

A lenda Muricy Ramalho, mais ídolo do que nunca no São Paulo | Miguel Schincariol/Getty Images
A lenda Muricy Ramalho, mais ídolo do que nunca no São Paulo | Miguel Schincariol/Getty Images

Muricy estava mais reservado e bastante concentrado durante todo o jogo, porém quando o árbitro apitou, ele não conseguiu conter o choro. Foi uma das imagens mais marcantes da minha vida dentro do futebol. Chorei junto. E como chorei. Esqueci um pouco do profissionalismo nessa hora.

Desci para o gramado, onde pude sentir a energia de todos que estavam ali. Um dos que mais me chamaram atenção foi o Daniel Alves, que já ganhou quase tudo na carreira e estava eufórico com um ‘simples’ campeonato estadual. Crespo e comissão exalavam alegria, parecia que estavam no clube há anos e sabiam exatamente a dimensão da conquista para o torcedor. Reinaldo emocionado. Miranda voltando e sendo campeão. Os meninos de Cotia corriam pelo campo pulando e cantando. É justamente essa euforia que comprova que a 22ª conquista estadual do Tricolor não foi uma qualquer. No final, os jogadores ainda foram saudar os torcedores fora do estádio, e realmente não tinha como não ir, pois além da linda festa que faziam ali na frente, o grito de ‘É campeão’ estava entalado desde 2012.

Noite memorável no Morumbi. Sai, zica! | Gabriela Martins
Noite memorável no Morumbi. Sai, zica! | Gabriela Martins

Ufa! Que dia memorável, que experiência incrível!

Do torcedor ao presidente, cada um está 400kg mais leve.

Parabéns a todos que fizeram esse momento se tornar inesquecível. Que seja apenas o começo!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos