Muita criação, pouca pontaria... Erros nas conclusões mais uma vez custam caro ao Botafogo

Sergio Santana
·2 minuto de leitura


Foram 20 finalizações, com ao menos quatro chances reais de gol. O Botafogo criou como nunca, mas foi superado como sempre. No revés por 2 a 0 para Athletico-PR, na última quarta-feira, pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, pode-se dizer que o Alvinegro também perdeu para suas limitações.

Seu desempenho diante da equipe comandada por Paulo Autuori (ex-técnico do próprio Glorioso) foi marcado oportunidades claras de gol e chances ainda mais vistosas desperdiçadas. Somente dos pés de Salomon Kalou, que teve mais uma partida para esquecer com a camisa do Alvinegro, saíram três chances.


Os números são alarmantes não só porque Botafogo segue estacionado na 19ª colocação, somando 23 pontos (e a cinco pontos de se afastar da zona de rebaixamento). O Alvinegro, de acordo com o aplicativo “SofaScore”, é o terceiro time que mais desperdiça chances claras de gol no Campeonato Brasileiro.

> Veja a classificação do Brasileirão e simule os próximos jogos!

Eduardo Barroca, treinador do Botafogo, tocou bastante no ponto da posse de bola durante a coletiva de imprensa após a derrota para o Athletico-PR. Por muitas vezes, o Alvinegro tem a bola no pé, mas não sabe o que fazer. Diante do Furacão, o goleiro Santos foi apenas exigido com mais clareza no segundo tempo, em jogadas que surgiram principalmente por meio de cruzamentos.

Há, ainda, uma inconsistência na própria equipe: Barroca parece não ter encontrado uma espinha dorsal de confiança e, por isto, repete poucas escalações. Por exemplo: diante do Corinthians, começou com Warley, uma opção de velocidade, no ataque; para o duelo contra o Furacão, o escolhido foi Kalou, um atleta de mala candência e dribles em espaço curto.

Os problemas mais nítidos em campo no Botafogo acontecem nas transições nas fases da partida. O time é lento para puxar um contra-ataque e se atrapalha para tentar uma bola longa para encarar a defesa adversária desarrumada. Já defensivamente, é muito devagar e se desorganiza com facilidade em um contra-ataque adversário. Prova disto foi a jogada de Nikão que culminou no gol de Renato Kayzer.

Com problemas com a bola no pé e sofrimento nas fases de transição, majoritariamente sem a posse da bola, era praticamente impossível prever um cenário de vitória para o Botafogo. Do mesmo jeito que se torna cada vez mais complicado vislumbrar algum tipo de reação alvinegra contra o rebaixamento.