Minotauro grava série sobre lutas e revela "o lado romântico da arte marcial"

Rodrigo 'Minotauro' se aposentou dos cages em agosto de 2015 - Diego Ribas

Rodrigo ‘Minotauro’ está prestes a dar um importante passo em sua carreira como apresentador. Aposentado dos cages desde agosto de 2015, o Hall da Fama do UFC estreia no próximo dia 27 a série ‘Viver Para Lutar’, programa dividido em seis episódios e gravado na Rússia, Japão, Coréia, Tailândia e EUA. O show, que retrata a rotina das principais academias de artes marciais do mundo, aborda a dedicação dos atletas com esportes de combate tradicionais em seus países como o caratê, judô, sambô, taekwondo e muay thai. E, para o ex-campeão do extinto Pride, a série também mostra um lado “romântico” das artes marciais.

Durante uma conversa com jornalistas em Las Vegas (EUA), Minotauro revelou que o programa transparece situações do backstage que são pouco conhecidas pelos fãs. De acordo com o brasileiro, a série aborda as lutas sob uma perspectiva diferente.

“Foi mostrado um pouco do lado romântico da arte marcial. As imagens do caratê, o tipo de treinamento, a técnica, o lado família, como são os lutadores em casa, o nervosismo antes de uma luta… coisas do backstage. E o backstage da Tokai, a maior seleção de judô universitário, que nunca foi visto. Ninguém entra lá, nenhuma imprensa, e eles deixaram a gente com trânsito livre. Então, todas as cenas são imperdíveis”, afirmou.

Um dos maiores lutadores de MMA da história, Minotauro revelou que aproveitou a chance de poder aprender sobre outras formas de combate sem ter que se preocupar com algum adversário ou algum duelo. Segundo o ex-campeão, a experiência de treinar com “mestres de 90 anos” foi uma verdadeira aula de história das artes marciais.

“Eu fui lá sem obrigação alguma de ter que absorver tudo para adaptar ao meu jogo. Eu fui lá para aprender. Coloquei a faixa branca de caratê e taekwondo. O maior mestre de caratê do Japão, o mestre Higa, ele me viu treinando e queria me dar a faixa preta de caratê. Mas eu recusei e disse: ‘Não, mestre, tenho que respeitar todas as faixas’. Então foi uma experiência incrível treinar com esses caras, ver os mestres de 90 anos. Eu vi uma senhora que é a neta do criador do estilo de caratê kyokushin, então poder ver a história do caratê sem ter a obrigação de lutar foi uma experiência incrível”, declarou.

Minotauro é ex-campeão peso-pesado do extinto Pride e também foi dono do cinturão interino do UFC na mesma categoria. Exímio lutador de jiu-jitsu, o brasileiro colecionou na carreira um cartel com 34 vitórias, 10 derrotas, um empate e uma luta sem resultado.