Ministra japonesa dos Jogos Olímpicos favorita para presidir Tóquio-2020

·1 minuto de leitura
A ministra japonesa para os Jogos Olímpicos, Seiko Hashimoto

A ministra japonesa para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Seiko Hashimoto, parece a grande favorita para substituir o presidente do Comitê de Organização de Tóquio-2020, Yoshiro Mori, que renunciou na semana passada após declarações sexistas, informa a imprensa nipônica.

O comitê responsável por buscar um substituto para Yoshiro Mori (83 anos) se reuniu pela segunda vez nesta quarta-feira e teria chegado a um acordo sobre o nome Hashimoto (56 anos), ex-atleta e medalhista olímpica, segundo o canal de televisão público NHK.

Agora o comitê deve solicitar a Hashimoto que aceite o cargo. De acordo com a imprensa, ela estaria relutante a assumir a presidência do Comitê de Organização de Tóquio-2020 a apenas cinco meses da abertura dos Jogos, que foram adiados por um ano em 2020 pela pandemia de covid-19.

A nomeação ainda não foi confirmada pelo comitê e parte da imprensa afirma que a disputa permanece aberta. Outros nomes citados são Yasuhiro Yamashita (presidente do Comitê Olímpico Japonês) e Mikako Kotani (diretora esportiva de Tóquio-2020).

Yoshiro Mori foi obrigado a renunciar depois que seus comentários sexistas provocaram indignação no Japão e no exterior.

Mori, ex-primeiro-ministro japonês (2000-2001), conhecido por suas gafes, declarou que as mulheres falam muito durante as reuniões de conselhos administrativos, o que para ele era "irritante".

Ele pediu desculpas de maneira protocolar, mas descartou a ideia de renunciar em um primeiro momento, o que provocou uma avalanche de críticas no Japão e no exterior. Na sexta-feira passada, ele deixou o cargo.

bur-sah-mac/ras/smr/dr/fp