Ministério da Saúde vai assinar contrato por lote adicional da Coronavac após impasse, diz presidente do Butantan

·1 minuto de leitura
Foto: Eduardo Anizelli - 17.jan.21/Folhapress
Foto: Eduardo Anizelli - 17.jan.21/Folhapress

O Ministério da Saúde assinará na terça-feira (02) o contrato para compra de 54 milhões de doses adicionais da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, disse nesta sexta-feira (28), o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.

O governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, vinha pressionando o ministério a exercer a opção para o lote adicional da CoronaVac. Governadores de todo o país já haviam mandado um ofício ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) solicitando uma ação do governo federal na questão. Inicialmente, o Ministério da Saúde havia alegado o direito contratual de manifestar interesse no lote até o dia 30 de maio.

Leia também

"Alguns minutos atrás, quando eu já estava aqui no púlpito, recebi uma comunicação da pessoa responsável pelo departamento de logística do Ministério da Saúde avisando que o contrato será assinado na terça-feira da próxima semana", disse Covas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

A demora no posicionamento do Ministério da Saúde vinha causando repercussão negativa em todo o país. Minutos antes, na mesma coletiva, o governador João Doria (PSDB) havia dado um ultimato à pasta comandada por Eduardo Pazuello informando que, se não houvesse um posicionamento até o próximo dia 5, o tucano iria negociar os imunizantes com outros governadores e prefeitos do país.

Para justificar a pressão, o tucano ainda listou os nomes de governantes que já deixaram claro o interesse em adquirir as doses da Coronavac.

O contrato com o ministério da Saúde prevê a entrega de 46 milhões de doses da Coronavac à pasta até abril e uma opção para aquisição de mais 54 milhões de doses, totalizando 100 milhões.

***Com informações da Reuters