Mineirinho avalia disputa com Filipe Toledo e destaca pré-temporada

Enquanto as ondas em Margaret River, na Austrália, não permitem a conclusão da segunda etapa do Circuito Mundial de Surfe, os surfistas que ainda estão no torneio tentam manter o foco no evento. É o caso de Adriano de Souza, o Mineirinho, que espera uma colaboração do mar para a disputa das quartas de final e prevê dificuldades.

“Eu acho que o nível em que estamos hoje, quartas de final, são praticamente os oito melhores atletas do evento. Então não tem mais baterias que você enxerga e fala ‘tal pessoa vai passar tranquilamente’. Se você pegar o histórico de todos os atletas neste evento, você vai ver que eles chegaram no seu excelente, no seu nível mais alto. Então, com certeza, todo mundo vai querer mostrar isso nas quartas de final”, avaliou Mineirinho em entrevista ao programa Show da Manhã, da Liga Mundial de Surfe (WSL, na sigla em inglês).

Adriano de Souza terá pela frente o compatriota Filipe Toledo na briga por uma vaga nas semifinais da etapa de Margaret River. Mineirinho rasgou elogios ao amigo e agora adversário e garantiu não ter uma estratégia especial para o duelo. “O Filipe é bom em tudo, é bom em tubo, é bom em manobra, é bom em aéreo. Eu vou tentar usar ao máximo a experiência que eu tenho, o autoconhecimento também e espero que seja o suficiente para avançar”, disse.

Quadrifinalista em Margaret River, Mineirinho caiu uma fase antes na primeira etapa do Circuito Mundial, em Gold Coast, também na Austrália. Os bons resultados neste início de ano têm relação com a pré-temporada feita pelo surfista brasileiro, que optou por passar cerca de quatro meses no Havaí aprimorando seu desempenho nas ondas grandes e volumosas.

“Nesta pré-temporada eu consegui juntar duas coisas que eu sempre tive vontade, mas nunca tive a oportunidade: ter bons treinadores de preparação física no Havaí e um treino técnico forte de ondas grandes e pesadas. Consegui unir isso e fazer uma boa pré-temporada”, destacou.

Além da boa preparação, outro fator que tem contribuído para as apresentações consistentes de Adriano de Souza dentro da água é a concentração. Campeão mundial em 2015, o brasileiro revelou ter enfrentado muita pressão na temporada passada. Agora, com a responsabilidade nas costas do atual campeão John John Florence, Mineirinho se vê mais focado para desenvolver seu trebalho.

“Eu me sinto muito melhor em relação ao ano passado. Em 2016 foi muita pressão, tinha muitos compromissos com a mídia, com o público, todo mundo me visando. Foi uma experiência boa e gostosa. Hoje eu estou em baixa, não tenho essa pressão toda, que agora o John John Florence tem nas costas dele. Eu me sinto muito mais livre e concentrado para a temporada. O ano começou extremamente bem para mim”, finalizou.