Milton Cunha vê abertura dos Jogos Olímpicos 'sem ziriguidum' e brinca com samba de judoca do Brasil

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.


Conhecido por sua personalidade única e por seus comentários divertidos no Carnaval da Globo, o comentarista Milton Cunha usou de seu bom humor para avaliar a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, neste sábado. Milton diz que esperava mais da celebração japonesa, que teria deixado a desejar em "ziriguidum".

+ Veja o quadro de medalhas dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

+ Zanetti na final, Nory e Wu decepcionam… Veja o resumo do dia dos Jogos

- Achei bacana. Faltando um ziriguidum, um chicachicabum, mas "a loka, né?", porque os nipônicos são super discretérrimos. Estava de bom gosto - comentou ele ao G1. Outro destaque foi o "samba no pé da porta-bandeira" brasileira, a atleta Ketleyn Quadros, do judô - que esteve ao lado de Bruninho, do vôlei. Milton elogiou o "arraso" da judoca, mas cutucou:

- A porta-bandeira brasileira sambou para trás. A escola indo para a apoteose, e ela voltando para a (avenida) Presidente Vargas. Arrasou, gata - disse. Além disso, Milton criticou a sobrancelha "extremamente exagerada" de alguns atletas.

Ele também gostou da cantora japonesa Misia ("riquíssima, com cara de poucos amigos"), valorizou a presença dos drones ("aquele é o sonho de qualquer vedete, qualquer bicha") e tirou pontos da apresentação japonesa quando um dançarino imitava os símbolos dos esportes olímpicos e deixou uma raquete cair. Confira mais informações dos Jogos Olímpicos aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos