Milhares de trabalhadores são despejados na capital do Catar antes da Copa do Mundo

Imagem de arquivo: Trabalhadores de construção no mercado Souq Waqif, em Doha.

Por Andrew Mills

DOHA (Reuters) - O Catar esvaziou blocos de apartamentos que abrigavam milhares de trabalhadores estrangeiros nas mesmas áreas do centro da capital Doha onde os torcedores visitantes ficarão durante a Copa do Mundo, disseram trabalhadores que foram despejados de suas casas à Reuters.

Eles disseram que mais de uma dúzia de prédios foram esvaziados e fechados pelas autoridades, forçando os trabalhadores, principalmente asiáticos e africanos, a procurar o abrigo que pudessem - incluindo dormir na calçada do lado de fora de uma de suas antigas casas.

A medida ocorre menos de quatro semanas antes do início do torneio mundial de futebol, que começa em 20 de novembro, e que atraiu intenso escrutínio internacional sobre o tratamento do Catar aos trabalhadores estrangeiros e suas leis sociais restritivas.

Em um prédio que os moradores disseram abrigar 1.200 pessoas no distrito de Al Mansoura, em Doha, as autoridades disseram às pessoas por volta das 20h de quarta-feira que elas tinham apenas duas horas para sair.

As autoridades municipais retornaram por volta das 22h30, forçaram todos a sair e trancaram as portas do prédio, disseram eles. Alguns homens não conseguiram voltar a tempo de recolher seus pertences.

"Não temos para onde ir", disse um homem à Reuters no dia seguinte, enquanto se preparava para dormir pela segunda noite com cerca de 10 outros homens, alguns deles sem camisa, no calor e umidade do outono do país do Golfo Árabe.

Ele e a maioria dos outros trabalhadores que falaram com a Reuters se recusaram a dar seus nomes ou detalhes pessoais por medo de represálias das autoridades ou empregadores.

Perto dali, cinco homens estavam carregando um colchão e uma pequena geladeira na traseira de uma caminhonete. Eles disseram que encontraram um quarto em Sumaysimah, cerca de 40 km ao norte de Doha.

Um funcionário do governo do Catar disse que as remoções não estão relacionadas à Copa do Mundo e foram projetadas "de acordo com planos abrangentes e de longo prazo para reorganizar áreas de Doha".

“Desde então, todos foram realojados em acomodações seguras e apropriadas”, disse o funcionário, acrescentando que os pedidos de desocupação “teriam sido conduzidos com o devido aviso”.

A Fifa não respondeu a um pedido de comentário e os organizadores da Copa do Mundo do Catar encaminharam perguntas ao governo.

Cerca de 85% dos três milhões de habitantes do Catar são trabalhadores estrangeiros. Muitos dos despejados trabalham como motoristas, diaristas ou têm contratos com empresas, mas são responsáveis por suas próprias acomodações - ao contrário dos que trabalham para grandes empresas de construção que vivem em acampamentos que abrigam dezenas de milhares de pessoas.

Um trabalhador disse que os despejos visavam homens solteiros, enquanto trabalhadores estrangeiros com famílias não foram afetados.

Um repórter da Reuters viu mais de uma dúzia de prédios onde moradores disseram que pessoas foram despejadas. Alguns prédios tiveram a eletricidade desligada.

A maioria foi em bairros onde o governo alugou prédios para acomodação dos torcedores da Copa do Mundo. O site dos organizadores lista prédios em Al Mansoura e outros distritos onde os apartamentos são anunciados com diárias entre 240 e 426 dólares por noite.

Alguns trabalhadores disseram ter sofrido despejos em série.

Um disse que foi forçado a mudar de prédio em Al Mansoura no final de setembro, apenas para ser transferido 11 dias depois sem aviso prévio, junto com cerca de 400 outros. "Em um minuto, tivemos que nos mover", disse ele.

Mohammed, um motorista de Bangladesh, disse que morava no mesmo bairro há 14 anos até quarta-feira, quando o município lhe disse que tinha 48 horas para deixar a vila que dividia com outras 38 pessoas.

Ele disse que os trabalhadores que construíram a infraestrutura para o Catar sediar a Copa do Mundo estão sendo deixados de lado à medida que o torneio se aproxima.

"Quem fez os estádios? Quem fez as estradas? Quem fez tudo? Bengalis, paquistaneses. Pessoas como nós. Agora estão nos obrigando a sair."

(Reportagem de Andrew Mills)