Milagre, bronca e oportunismo: 3 momentos que simbolizam a classificação do Santos na Sul-Americana

·2 minuto de leitura

O Santos entrou em campo para enfrentar o Independiente, na Argentina, em vantagem. Tinha vencido na Vila Belmiro por 1 a 0 e jogava pelo empate em Avellaneda para chegar às quartas de final da Copa Sul-Americana. E a vaga foi garantida justamente com uma igualdade: 1 a 1. O Peixe (que agora pega o Libertad-PAR) saiu na frente, mas permitiu o gol rival quando já estava em vantagem numérica, na etapa final, depois da expulsão de Insaurralde - Barreto também receberia o vermelho, já nos acréscimos. A partida ficou marcada por, ao menos, três momentos cruciais. E a gente resume eles aqui.

1. O milagre de João Paulo

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O goleiro João Paulo foi um dos destaques do Santos frente ao Independiente. Foram ao menos sete defesas salvadoras. Porém, a principal delas, que se não ocorresse poderia ter mudado o rumo do duelo, foi em finalização de Velasco, aos 17 minutos do primeiro tempo. O adversário concluiu praticamente da pequena área, e ele pegou de forma milagrosa, no puro reflexo. Era o prenúncio de que, se dependesse de seu arqueiro, o Peixe não tinha com o que se preocupar. Brilhou sempre que foi exigido.

2. A bronca em Marinho

Técnico Fernando Diniz foi bastante duro com o atacante | GUSTAVO ORTIZ/Getty Images
Técnico Fernando Diniz foi bastante duro com o atacante | GUSTAVO ORTIZ/Getty Images

Fernando Diniz, em boa parte do primeiro tempo, se mostrou irritado com a atuação e a postura de Marinho. Em determinado momento, o treinador chegou a soltar um "Marinho, como é que é?". Pois o atacante respondeu com participação ativa. Foi o responsável pela roubada de bola que originou o gol de abertura do placar e que, por consequência, deixou o time bem mais tranquilo na disputa. No segundo tempo, veio uma nova bronca: "Marinho, você vai começar a jogar que horas?", berrou o comandante.

3. O oportunismo de Kaio Jorge

Atacante, mais uma vez, foi decisivo para o Peixe | GUSTAVO ORTIZ/Getty Images
Atacante, mais uma vez, foi decisivo para o Peixe | GUSTAVO ORTIZ/Getty Images

O centroavante do Santos já havia decidido o jogo de ida. Pois foi ele quem tratou de encaminhar, de forma definitiva, a classificação. Aos 38 minutos do primeiro tempo, Marinho roubou a bola no meio-campo e tocou para Sánchez. Este, por sua vez, lançou rapidamente. Insaurralde errou ao tentar afastar, e Kaio Jorge se aproveitou para colocar na saída de Sosa e abrir o placar. Matador bom é assim, quase não erra.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos