Miguel é decisivo em vitória do Flu e mostra para Odair que vai ser útil

Joel Silva
LANCE!
Miguel Silveira foi destaque da vitória do Fluminense contra a Portuguesa (FOTO: LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.)
Miguel Silveira foi destaque da vitória do Fluminense contra a Portuguesa (FOTO: LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.)


Com dois tempos distintos, o Fluminense conseguiu vencer a Portuguesa da Ilha. No primeiro tempo, péssima atuação e nenhuma chance criada. Já no segundo, vitória por 2 a 0 construída em 11 minutos, muito por conta da entrada de um menino de 16 anos, que entrou no intervalo e mudou a partida. Trata-se de Miguel, que foi fundamental na mudança de postura do Tricolor.

O Fluminense iniciou a partida no esquema 4-4-2. Nenê e Felippe Cardoso no ataque, com Matheus Alessandro e Lucas Barcelos jogando abertos, fechando a linha do meio-campo. Com a bola, Nenê recuava para armar o jogo e o time passava a ter três atacantes. Apesar da ofensividade, o time não criou lances de perigo, principalmente pela má atuação de Felippe Cardoso, que não conseguiu dar sequências nas jogadas.

Para a segunda etapa, Odair Hellmann fez a leitura perfeita, substituindo o atacante já no intervalo para a entrada de Miguel. O meia passou a jogar pelo lado direito e Lucas Barcelos foi centralizado. No primeiro minuto, a joia de apenas 16 anos mostrou ao que veio e quase deixou o companheiro na cara do gol. Na sequência, Matheus Alessandro deu o primeiro chute de perigo para o Fluminense.

Em pouco tempo, Miguel fez o Fluminense melhorar consideravelmente e o gol saiu rapidamente, logo aos cinco minutos, com Nenê de pênalti. O time ampliou seis minutos depois, com total protagonismo do jogador. Dentro da área, entortou o marcador e cruzou, no rebate, Gilberto marcou. O menino se comportou como um veterano, distribuindo o jogo, seja com passes curtos ou viradas de bola, porém sem perder a essência de moleque. Em uma jogada deu um chapeuzinho e precisou ser parado com falta.

Para a noite ser perfeita, faltou o gol e Miguel bem que tentou. Na primeira arriscou de fora da área e a bola passou longe. Na segunda, em tabela com Nenê, entrou na área, driblou o zagueiro, mas a bola acabou sobrando para Pablo Dyego finalizar. Apesar de não ter feito gol, vale destacar que o Tricolor só balançou as redes com o menino em campo. Nos dois jogos da Taça Guanabara, o meia entrou no segundo tempo quando o placar estava 0 a 0.

Em todo o ano passado, Miguel atuou em quatro jogos. Com Odair Hellmann já são dois e a tendência é que se firme cada vez mais no elenco. Bola o garoto já mostrou que tem, falta apenas o gol para se consolidar ainda mais.










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também