Michael Owen fala sobre os últimos anos de carreira: "odiei o futebol"

Goal.com
Atacante que ganhou uma Bola de Ouro conta que após lesão nos adutores ele nunca mais foi o mesmo

Michael Owen fala sobre os últimos anos de carreira: "odiei o futebol"

Atacante que ganhou uma Bola de Ouro conta que após lesão nos adutores ele nunca mais foi o mesmo

O ex-atacante inglês Michael Owen fez revelações impactantes sobre seu período como jogador profissional. O Bola de Ouro de 2001 chegou a comentar que odiou o futebol, devido aos seus constantes problemas com lesões musculares que o levou a se aposentar precocemente aos 33 anos.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Em entrevista à BT Sports, o inglês falou sobre as dificuldades que se apresentaram quando começou a sofrer com lesões. 

"Quando lesionei os adutores pela primeira vez, tudo se acabou para mim. Mudei minha forma de jogar e nunca mais fui o mesmo. Nos últimos seis ou sete anos da minha carreira, me transformei. Me apavorava a possibilidade de chutar quando tinha espaço, eu sabia que tinha rasgado o adutor", falou o ex-jogador que foi revelado no Liverpool em 1996.

"O pior de tudo é que meus instintos me diziam para fazer o de sempre. Nasci pra ser jogador de futebol. Eu me lembro quando McManaman corria com a bola e podia me dar o passe em profundidade, pensava: "não, não, por favor não faça isso, me dê o passe curto", confessou Owen.

Leia mais:
Sidão ainda divide opiniões no São Paulo
– Ronaldo será acionista majoritário do Real Valladolid
– Piqué sobre Pogba: ‘Seria bom se viesse”

Cinco anos depois de surgiu nos Reds, Michael teve uma ascensão meteórica e conquistou a Bola de Ouro em 2001. Três anos depois desembarcava na capital espanhola para acertar com o Real Madrid. Exatamente ali teve diversos problemas e voltou para a Inglaterra apenas um ano depois, indo jogar no Newcastle. Ainda atuou pelo Manchester United antes de rumar ao Stoke City e encerrar prematuramente sua promissora carreira.

"Eu perdi tudo. Durante esses seis ou sete anos odiei o futebol. Não via a hora de me aposentar, porque aquele que estava em campo não era eu. E o pior é que eu entrei em um estado mental em que eu não conseguia nem chutar. Então eu me escondia, me colocava em zonas do campo onde não era para eu estar", falou o ex-atleta de 38 anos.

Na Área com Nicola - Palmeiras se planeja bem para 2019

Leia também